Negócios e Empreendorismo

Arraiolos: Mantas alentejanas já chegam ao Japão

Mizette trocou o estilo de vida caótico da cidade pela produção de mantas alentejanas no campo, transformando-se numa das poucas produtoras artesanais ainda ligada às velhas práticas.
Versão para impressão
Apesar do sotaque, Mizette Nielsen já é mais alentejana do que holandesa. Nos anos 70, Nielsen 'aterrou' em Reguengos de Monsaraz e recuperou uma fábrica de Lanifícios que, hoje em dia, exporta tapetes e outros produtos para todo o mundo, dos EUA ao Japão.

por Gisela Gomes

Quando chegou a Portugal, Mizette trabalhou, em Lisboa, como diretora de agências de modelos e esteve ligada à publicidade e à produção audiovisual durante mais de 10 anos.


Mizette Nielsen chegou a Monsaraz em 1976, depois do 25 de abril. A publicidade “já não estava a dar” e a holandesa sentiu a necessidade de sair da capital, explica ao Boas Notícias. 

Na altura, já fazia parte da primeira cooperativa têxtil de mulheres através da qual investigou a área de Monsaraz e a fábrica que viria a adquirir, descobrindo que os antigos donos tinham quase que abandonado o espaço.
 

A Fábrica Alentejana de Lanifícios abriu as portas pela primeira vez há mais de um século atrás, tendo celebrado os seus 100 anos de existência em 2015. As técnicas utilizadas na altura para tecer mantas alentejanas são as mesmas que Mizette usa hoje em dia, embora com outras cores e formatos.
 
Fábrica ainda usa designs do tempo dos mouros

Mizette tornou-se assim proprietária da última fábrica na Península Ibérica que ainda usa designs dos tempos dos mouros, um facto reconhecido recentemente pelo governo da Turquia.

 
Interior da fábrica, com algum do espólio em exposição
 
Com Mizette nas rédeas, a fábrica voltou à produção e o negócio floresceu. Voltaram a usar os teares tradicionais, pois os elétricos “faziam imenso barulho” e sempre que se estragavam “tinha de se chamar alguém da Covilhã para os arranjar”.  

Por outro lado, apostou nestas técnicas porque considera que “não se podia perder todo este conhecimento”, salienta Mizette num sotaque que mistura sons alentejanos com pronúncia holandesa.


Dar a volta por cima

Logo nos primeiros anos, a equipa mudou de espaço e levou os teares para antigo lagar de azeite da fábrica, capaz de dar teto a cerca de 50 trabalhadores. Nessa altura, cerca de “90% da produção era exportada” para o estrangeiro.

Nos anos 80, quando Portugal entrou na União Europeia, a fábrica ressentiu-se. Com a globalização emergente chegam os tecidos mais baratos do oriente e perdeu-se o interesse nas produções  locais com bases tradicionais.

 
Mizette conta que, nessa altura, em pouco mais de um mês, "tudo mudou” e foi necessário começar de novo. Mesmo assim Mizette quis lutar contra a maré e recusou desistir, insistindo nas técnicas tradicionais que sempre aplicou embora com novo design. “Isto foi sempre Alentejo. Existem coisas que não se podem mudar.”


 
Hoje, a Fábrica Alentejana de Lanifícios – que está aberta a visitas – continua a fazer tecidos com base nas técnicas ancestrais. Ainda se usam muitos dos designs antigos, mas também surgiram novas ideias, novas cores e novos materiais.

As mantas deram lugar a tapetes, a revestimentos de sofás e almofadas, a tudo o que for possível criar com mãos humanas. A fábrica já produziu, até, forros para o interior de botas, tendo também muitas encomendas para decoração de hotéis.

Marca japonesa Kenzo é uma das principais clientes 
 

Entretanto o trabalho de Mizette continua a espalhar-se pelo mundo, sobretudo “de boca em boca”. A maior parte dos clientes são “arquitetos e hotéis que pedem trabalhos únicos e exclusivos".

Há vários clientes portugueses, como a Herdade do Esporão ou a Casa Mãe Lagos, mas muitas encomendas vêm do estrangeiro, de países como a Bélgica, França, Espanha, Colombia ou Suíça.


Dentro dos clientes mais habituais, Mizette tem quatro nos EUA e um no Japão: Kenzo Takada, designer de produtos de luxo na área da roupa, cosmética e objetos para a casa.

 
Neste momento, a fábrica só conta com cinco trabalhadores que realizam maioritariamente encomendas. Os preços são muito variáveis, dependendo dos detalhes, materiais e dimensões, sendo que o tapete mais básico ronda os 100 a 300 euros.

Quanto ao futuro, não há limites no horizonte.  Mizette garante que a fábrica está com “mil projetos” em mãos pelo que a tradição teceleira de Reguengos de Monsaraz vai continuar a deixar a sua marca dentro e fora do país. 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub