Saúde

Amamentação prolongada favorece sucesso do adulto

Um estudo realizado na Universidade de Pelotas, no Brasil, concluiu que as crianças que são amamentadas até mais tarde têm maiores probabilidades de se tornarem adultos mais inteligentes e mais bem-sucedidos na vida.
Versão para impressão
Um estudo realizado na Universidade de Pelotas, no Brasil, concluiu que as crianças que são amamentadas até mais tarde têm maiores probabilidades de se tornarem adultos mais inteligentes e mais bem-sucedidos na vida. O estudo foi publicado este mês na revista científica 'Lancet Global Health'.

Durante a investigação, foram acompanhadas cerca de seis mil pessoas que tinham nascido em 1982, às quais também tinha sido recolhida informação sobre a sua amamentação e o tempo que ela durou. No ano em que estes participantes celebraram o seu 30º. aniversário, em 2012, o grupo foi submetido a um teste de Quociente de Inteligência (Q.I).

Mais tarde, estes resultados foram cruzados com a informação relativa ao tempo de que durou a amamentação de cada um, com base em aspetos como a escolaridade dos pais, a duração da gravidez, peso de nascimento, a idade que a mãe tinha quando engravidou, entre outros.

A conclusão é que aqueles que tomaram leite materno durante mais tempo (12 meses) se tornaram adultos mais inteligentes e bem sucedidos.

“O nosso estudo mostra que amamentar durante mais tempo não só aumenta a inteligência mas também ajuda a ter impato em níveis sociais e individuais, uma vez que estas pessoas têm maior predisposição para aprender e estudam mais anos”, explica um dos responsáveis pelo estudo, Bernardo Lessa Horta, citado no comunicado da Universidade.

Outra das conclusões é que os bebés alimentados com leite materno por um período de 12 meses ano têm um quoficiente de inteligência mais elevado, mais anos de escolaridade e ainda um salário maior do que aqueles que cuja amamentação durou menos um mês, por exemplo.

Os investigadores acrescentam que esta ligação entre a inteligência e a amamentação se deve à presença de ácidos gordos no leite materno, essenciais para o desenvolvimento do cérebro.

Bernardo explica ainda que os participantes eram provinientes de diversas classes sociais e de famílias com diferentes graus de escolaridade.

“Já se conheciam os efeitos da amamentação no desenvolvimento da inteligência das crianças, mas dos adultos ainda não”, acrescenta o responsável.

Notícia sugerida por Maria Pandina e António Resende

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório