Ambiente

Zoo de Lisboa tenta reproduzir Araras-jacintas

Revestidas de um azul-cobalto invulgar, as Araras-jacintas são das poucas aves monogâmicas do mundo, ou seja, mantêm o mesmo parceiro durante a maior parte da sua vida. O Jardim Zoológico de Lisboa criou um cativeiro para a reprodução de um casal des
Versão para impressão

Revestidas de um azul-cobalto invulgar, as Araras-jacintas são das poucas aves monogâmicas do mundo, ou seja, mantêm o mesmo parceiro durante toda a vida. Apesar desta dedicação ao amor, esta é uma espécie ameaçada pelo que o Jardim Zoológico de Lisboa está a apostar na sua reprodução.

Desde 1992 que o Jardim Zoológico de Lisboa tem um casal desta espécie de aves mas foi só recentemente que o parque iniciou um projeto especial de reprodução das araras, oriundas da América do Sul.

Uma das principais missões dos tratadores é estimular os comportamentos naturais das aves, “especialmente os de namoro”, explica ao Boas Notícias a tratadora Joana Batista. Para isso “são colocados ninhos apropriados, é dada uma alimentação mais rica na época de reprodução e realizam-se atividades de Enriquecimento Ambiental”, esclarece.

As Araras-jacintas foram recentemente classificada pela União Internacional para a Conservação da Natureza como uma espécie em perigo. Hoje estima-se a existência de menos de 10 mil indivíduos da espécie, um número que tem tendência decrescer.

Os principais motivos apontados para o decréscimo de exemplares da espécie são a captura ilegal para o comércio de aves de cativeiro e a destruição dos locais de nidificação das aves.

Aves apaixonadas 

Com o projeto especial de reprodução das Araras-jacintas, o Zoo pretende contribuir para o possível aumento e reforço do número de indivíduos da espécie.

De acordo com Joana Batista, “também se procura uma população saudável geneticamente”, ou seja, com “a máxima diversidade genética” e a menor “consanguinidade possível” entre os animais que estão fora do habitat natural.

Desde o ano passado que o casal do Zoo se mostra apaixonado, passando muitas horas dentro do ninho. “Por vezes nem saíam para comer os seus alimentos favoritos”, acrescenta Joana Batista. Agora, só falta mesmo que o par de namorados ponha um ovo assegurando a sua descendência.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close