Saúde

Voz de familiares ajuda a sair do coma

A voz de pessoas queridas pode ser fundamental para um paciente recuperar do estado de coma. Uma investigação norte-americana acaba de demonstrar que este som familiar pode ajudar a despertar a parte adormecida do cérebro.
Versão para impressão
A voz de pessoas queridas pode ser fundamental para um paciente recuperar do estado de coma. Uma investigação norte-americana acaba de demonstrar que este som familiar pode ajudar a despertar a parte adormecida do cérebro.
 
A investigação realizada pela unidade hospitalar Northwestern Medicine and Hines VA Hospital pediu a membros da família de pessoas em coma que gravassem estórias de família que os pacientes recordassem. Os pacientes em coma ouviam os registos quatro a seis vezes por dia, durante pelo menos seis semanas, através de um equipamento com auscultadores. 
 
O estudo contou com a participação de 15 pacientes que sofreram traumatismos cranianos severos e que se encontravam em estado comatoso. A maior parte dos participantes tinha sido vítima de acidentes rodoviários. O tratamento foi aplicado, em média, 70 dias após o acidente.

A evolução destes pacientes foi comparada com o progresso de pessoas que estavam em estado de coma mas que não foram expostas ao registo sonoro das famílias. A conclusão destas comparações foi publicada, este mês, no jornal Neurorehabilitation and Neural Repair.  

“Acreditamos que ouvir estas vozes ajuda os pacientes a reativar os circuitos do cérebro responsáveis pela memória a longo prazo”, explica a líder do estudo, Theresa Pape, em comunicado de imprensa. “Esse estímulo é o primeiro passo para a consciência”, acrescenta a neurocientista. 

Através de scans de MRI os investigadores monitorizaram a reação cerebral dos pacientes que ouviram as gravações. Quando expostos ao som das vozes e das estórias familiares, os neurónios registaram um aumento da atividade nas zonas do cérebro associadas a memória e a linguagem. 
 
Godfrey Catanus foi um dos pacientes analisados. A mulher de Godfrey e os irmãos do paciente registaram numerosas estórias de família que envolviam o próprio Godfrey. Através de auscultadores, o paciente ouviu aquelas memórias quatro vezes ao dia, ao longo de três meses.

Algumas semanas após o início do tratamento, Godfrey começou a responder a perguntas da sua terapeuta através de gestos e pouco depois despertou do estado de coma. Agora, está de volta à sua família ainda que tenha permanecido com algumas lesões que o obrigam, por exemplo, a mover-se de cadeira de rodas.


Entretanto, Godfrey recuperou do seu estado vegetativo. O seu testemunho reforça a teoria de Pope. Godfrey disse aos investigadores que se lembra de ouvir a voz da mulher e dos irmãos durante o tempo em que esteve inconsciente.

Também a esposa de Godfrey acredita que esta terapia foi fundamental: “o tratamento através da voz fez uma diferença dramática na sua recuperação, sei que ajudou a trazê-lo de volta”, reitera a mulher do paciente.

 
Segundo a neurocientista Pape, os maiores progressos em termos de reações neuronais registaram-se após duas semanas de tratamento. Passadas seis semanas de audição das vozes da família, os progressos foram mais ligeiros. 

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close