Saúde

Vitamina E pode prevenir e ajudar a tratar cancros

A vitamina E possui propriedades anticancerígenas e poderá vir a ajudar a prevenir e até tratar vários tipos de cancro. A conclusão é de um novo estudo norte-americano.
Versão para impressão
A vitamina E possui propriedades anticancerígenas e poderá vir a ajudar a prevenir e até tratar vários tipos de cancro. A conclusão é de um estudo norte-americano, que provou que uma forma desta vitamina conseguiu inibir, num modelo animal com cancro da próstata, a ativação de uma enzima (a Akt) que é essencial para a sobrevivência das células doentes.
 
Durante o estudo, desenvolvido por investigadores da Universidade do Ohio e do Ohio State's Comprehensive Cancer Center, a equipa manipulou a estrutura de uma molécula de vitamina E e descobriu que este novo agente desempenhava um papel muito superior ao da própria vitamina nas células.
 
Em sequência de uma experiência com ratinhos, os especialistas, coordenados por Ching-Shih Chen, autor principal do estudo, observaram que esta molécula de vitamina E transformada reduziu o tamanho dos tumores da próstata e, ao impedir a ativação da enzima Akt, conduziu à morte das células cancerígenas, o que sugere fortes potencialidades terapêuticas.
 
De acordo com Chen e os seus colegas, a descoberta indica que a estrutura química modificada da molécula de vitamina E poderá vir, no futuro, a prevenir e tratar vários tipos de cancro, em particular os que estão associados a mutações no gene PTEN (como o da próstata), um defeito génetico comum associado ao desenvolvimento do cancro. 

Futuro pode passar por novo comprimido de vitamina E
 

“Esta é a primeira demonstração da existência de um mecanismo único na vitamina E que poderá trazer benefícios em termos da prevenção e tratamento do cancro”, afirma Chen em comunicado divulgado pela Universidade do Ohio, acrescentando que “tomámos vitamina E durante anos mas nunca soubemos, de facto, da existência desta função”. 
 
O investigador alerta, porém, que a toma dos suplementos típicos de vitamina E não é o suficiente para beneficiar destas potencialidades por dois motivos: em primeiro lugar, porque os suplementos mais baratos são sintéticos e baseados numa forma da vitamina que não combate a doença eficazmente e, depois, porque o organismo humano não consegue absorver, por esta via, as doses elevadas necessárias para o efeito anticancerígeno. 
 
“O nosso objetivo é desenvolver um comprimido seguro que contenha a dose certa de vitamina E e que as pessoas possam tomar diariamente com vista à prevenção do cancro”, adianta Chen, que confessa que “é preciso tempo para otimizar a fórmula e a dosagem” do fármaco. 
 
Apesar de ainda haver um longo caminho a percorrer, os cientistas vão continuar a melhorar a molécula modificada de vitamina E e mostram-se otimistas em relação ao futuro, em particular porque o estudo, que será publicado na próxima edição da revista científica Science Signaling, sugere também que o agente experimental testado não é tóxico para as células saudáveis. 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close