Saúde

Vírus humano ajuda no tratamento do cancro

Um medicamento experimental fabricado à base de um vírus inofensivo encontrado nos sistemas respiratório e gástrico dos humanos pode ser uma nova arma para auxiliar nos tratamentos por radioterapia mesmo em cancros em estado avançado, noticia a BBC.
Versão para impressão
Um medicamento experimental fabricado à base de um vírus inofensivo encontrado nos sistemas respiratório e gástrico dos humanos pode ser uma nova arma para auxiliar nos tratamentos por radioterapia mesmo em cancros em estado avançado, noticia a BBC. Os tumores dos pacientes que participaram no estudo britânico pararam de crescer ou diminuíram de tamanho.

Segundo a revista “Clinical Cancer Research“, os tumores tratados com o reovírus – grupo de vírus formado por ARN, o ácido ribonucleico, e que é o causador de constipações e gastroenterites – em conjugação com radioterapia pararam de crescer ou diminuíram de tamanho.

Os investigadores britânicos, do Instituto de Investigação do Cancro, em Londres, ficaram entusiasmados com o facto deste novo fármaco (o Reolysin, que está a ser desenvolvido pela Oncolytics Biotech) ter atuado nos 23 pacientes submetidos ao ensaio e que tinham cancros de diferente tipo, como do pulmão, intestino, ovários e pele.

Entre os pacientes que recebiam doses baixas de radioterapia, dois tiveram os tumores reduzidos e cinco pararam de crescer. Entre os que recebiam doses altas, cinco tiveram os tumores reduzidos e os demais viram a interrupção do avanço da doença.

Um paciente tinha um grande tumor na glândula salivar que diminuiu de tamanho o suficiente para ser retirado cirurgicamente. Outro paciente com uma forma agressiva de cancro de pele que tinha sido considerado perto da morte permanecia vivo 17 meses após o início do tratamento alternativo.

Todos os doentes tinham em comum o facto de já não responderem positivamente aos tratamentos, sentindo apenas algum alívio para a dor com a radioterapia. A utilização do Reolysin, que é directamente injectado nos tumores, não provocou efeitos secundários significativos além dos típicos da radioterapia.

“A ausência de qualquer efeito secundário significativo neste estudo é extremamente tranquilizadora para futuros ensaios em pacientes que recebam tratamento por radioterapia para curar o seu cancro”, afirmou o coordenador do estudo, Kevin Harrigton, citado pela BBC.

Embora os resultados sejam promissores, um outro médico que integra a equipa, o maltês Johann de Bono, disse ao jornal Times of Malta que o vírus não é uma arma mágica contra o cancro, alertando que será necessário esperar pelos efeitos do novo medicamento a longo prazo para ter garantias do seu sucesso.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close