Inovação e Tecnologia

Vírus aumenta eficiência de painéis solares

NULL
Versão para impressão
Há muito que os cientistas procuravam recorrer a nanotubos de carbono para potenciar a captação de energia dos painéis solares. Contudo, aquelas estruturas tendem a aglutinar-se e produzem efeitos de dois tipos, que diminuem a sua eficiência.

O novo estudo, publicado esta semana na revista Nature Nanotechnology, demonstra que uma versão geneticamente modificada do vírus M13 ajuda a contornar esses obstáculos, possibilitando controlar o arranjo de nanotubos numa superfície, mantendo-os separados e isolados, o que impede a ocorrência de curto-circuitos.

Nos testes, a eficiência de conversão energética nos painéis com vírus aumentou de 8% para 10,6%. Os cientistas do MIT serviram-se de um tipo de célula solar de baixo custo na qual a camada activa é composta de dióxido de titânio, mas a mesma técnica pode ser aplicada em células convencionais de silício.

O vírus cumpre duas funções na estrutura: além de fazer com que pequenas proteínas (peptídeos) se unam aos nanotubos, mantendo separadas as minúsculas estruturas de carbono, produzem também um filme de dióxido de titânio sobre cada um dos nanotubos, aproximando-os do dióxido de titânio.

As duas funções foram realizadas alternadamente, através da mudança da acidez do meio no qual os vírus se encontram. Segundo os autores do estudo, essa troca de função também foi demonstrada pela primeira vez.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close