Negócios e Empreendorismo

Vinho: Valor de exportações cresceu 20% em 10 anos

Portugal "aumentou em 20 por cento o valor das exportações de vinhos" em dez anos. A divulgação foi feita, na semana passada, pelo secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, Almeida Henriques.
Versão para impressão
Portugal “aumentou em 20 por cento o valor das exportações de vinhos” em dez anos. A divulgação foi feita, na semana passada, pelo secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, Almeida Henriques.
 
Após recordar que as exportações de vinho português em 2011 renderam 675 milhões de euros, o governante realçou que esse aumento de valor foi suportado, quase exclusivamente, por um “incremento do respetivo volume de exportações, em quase trinta por cento”.

O secretário de Estado destacou que vinho verde obteve um desempenho “ainda mais expressivo” no mesmo período, pois conseguiu “a duplicação do volume de exportações”.

 
Almeida Henriques falava durante o encerramento do seminário “Os Mercados Estratégicos para os Vinhos Portugueses”, que reuniu em Braga especialistas de seis mercados estratégicos para o setor – Brasil, Rússia, China, Canadá, EUA e Polónia.
 
O governante afirmou haver nestes dados “sinais da qualidade dos nossos vinhos e da visão de, pelo menos, parte dos nossos produtores e agentes”. “Vendemos mais (como a generalidade dos grandes países produtores do “velho” ou do “novo mundo”), mas com muito mais quantidade do que valor” observou. 

Mercados “disponíveis para remunerar qualidade”

 
A este respeito, o secretário de Estado salientou que “a remuneração média por litro de vinho” caiu nos últimos três anos, situando-se nos 2,27 euros, contra os 2,71 euros registados em 2000. Por isso, “vender mais é apenas uma parte da solução. É preciso vender melhor. Ou seja, vender com valor acrescentado”.
 
“Os mercados e, sobretudo, os mercados mais exigentes e mais emergentes, onde os nossos vinhos devem apostar, estão disponíveis para remunerar vinhos de qualidade”, defendeu Almeida Henriques.
 
“Entrar em mercados como Brasil, Rússia, China, ou mesmo Angola e Moçambique, reclama uma estratégia económica. Estratégia de dimensão crítica, por via de uma lógica em “rede” de colocação, distribuição e promoção”, reforçou.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close