Ciência

Vila Real vai ter um Observatório da Biodiversidade

Vila Real vai poder revelar espécies como a planta carnívora drosera ou a borboleta azul no novo Observatório da Biodiversidade.
Versão para impressão
A cidade de Vila Real vai ter um Observatório da Biodiversidade onde irá revelar espécies como a planta carnívora drosera ou a borboleta azul. As antigas minas de volfrâmio, na freguesia de Campeã, serão reabilitadas para acolher este centro científico.
 
O projeto incluído no Programa de Preservação da Biodiversidade de 2010 vai estender-se a uma lagoa artificial da zona, que capta uma grande variedade de espécies que poderão ser observadas.
 
Carlos Lima, coordenador do programa, explicou à agência Lusa que cerca de cinco hectares vão funcionar como uma ”montra” da biodiversidade do concelho de Vila Real, destacando a existência da drosera, uma pequena planta carnívora.
 
Para além deste espécime, foram também identificados alguns ninhos de myrmica, formiga que faz parte do ciclo biológico da borboleta azul e que leva os investigadores a supor que este lepidóptero regressou ao vale da Campeã.
 
Para além destas funções, Carlos Lima salienta que o observatório será também um ponto de concentração para “experiências entre a população rural e o desenvolvimento de projetos relacionados com plantas aromáticas e medicinais”.

Programa de Preservação da Biodiversidade

 
Durante o mês de Julho vão ser inaugurados vários bio-percursos, estando ainda prevista a realização do Fórum Biodiversidade em Vila Real, entre 21 e 22 de Março. Este evento pretende divulgar as diferentes atividades que têm sido feitas no âmbito do programa de preservação.
 
Para além destas atividades, também a requalificação das margens do rio Corgo faz parte das ações deste programa, tendo sido realizadas várias “Rogas dos Rios”, campanhas de voluntariado com vista à limpeza dos cursos de água, e construídos muros no Alvão para proteger a espécies de sapos.
 
Para este programa, a autarquia conta com o apoio da Tagis – Centro de Conservação das Borboletas de Portugal, da associação Parques com Vida, Quercus, Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB) e da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). 
 
Paula Seixas Arnaldo, que estuda a borboleta azul desde 2006 pela UTAD, juntou-se também a este projeto. A investigadora explicou que está a ser preparada a ligação entre várias populações de borboleta azul identificadas no Alvão, para que “consigam comunicar umas com as outras e não se perder variabilidade genética”.
 
A borboleta azul é um espécime frágil, com baixa tolerância a variações no ecossistema, que necessita de condições ecológicas específicas, como plantas hospedeiras onde coloca os ovos, e a formiga do género myrmica que a alimenta no seu formigueiro durante as últimas fases larvares.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close