Sociedade

Vigilante salvou mulher que ia atirar-se ao rio Douro

Um vigilante ao serviço do Metro do Porto salvou, na madrugada de segunda-feira, uma mulher que se preparava para se atirar ao rio Douro com os dois filhos bebés, um com um ano e outro com apenas um mês de vida.
Versão para impressão
Um vigilante ao serviço do Metro do Porto salvou, na madrugada de segunda-feira, uma mulher que se preparava para se atirar ao rio Douro com os dois filhos bebés, um com um ano e outro com apenas um mês de vida. Graças à intervenção rápida de Paulo Silva, os três foram colocados em segurança.
 
O Jornal de Notícias adianta que Paulo Silva e um colega, também funcionário da empresa de segurança Prosegur, se encontravam em vigilância no tabuleiro superior da ponte D. Luís quando viram surgir uma mulher, descalça e de pijama, trazendo ao colo dois bebés.
 
Ao aperceber-se de que a jovem, que, soube-se mais tarde, é uma imigrante do Bangladesh, tinha saltado o gradeamento da ponte, o segurança correu na sua direção e conseguiu agarrar a mãe e as duas crianças, puxando-as para uma zona segura, já com a ajuda do seu companheiro.
 
“Ela desatou a gritar palavras impercetíveis enquanto eu tentava sossegá-la dizendo-lhe que era amigo e que se acalmasse. Já ajudado pelo meu colega, colocámos os três junto à linha do Metro, no meio da ponte, e chamámos a PSP e o INEM”, contou Paulo Silva àquele jornal, assegurando que, na altura, a mulher não deu explicações.
 
“Quando os vi aproximarem-se da ponte, reparei que ela olhava repetidamente para trás, como se fosse perseguida, mas não havia ninguém. O que me levou a correr ao seu encontro foi o facto de ela, de repente, cerrar com força os meninos contra si. Aí, instintivamente, percebi que se ia matar. Não me enganei porque ela subiu o gradeamento num ápice. Mais um segundo e não chegaria a tempo”, garantiu.

Paulo Silva não se considera um herói

 
Apesar de o seu ato estar a ser louvado por muitos portugueses, em particular na Invicta, onde tudo aconteceu, Paulo Silva faz questão de destacar que não é um herói. Segundo o vigilante, naquilo que fez houve apenas um sentimento “de fraternidade e obrigação de ajudar quem precisa de nós”.
 
Na presença da PSP e dos técnicos do INEM, a mulher acabou por admitir que tencionava, de facto, por fim à vida, levando os filhos consigo, depois de, momentos antes, ter sido agredida pelo marido, um comerciante também oriundo do Bangladesh. 
 
A mãe e os dois bebés foram levados até ao Hospital de São João, tendo a mulher ficado em observação com o apoio dos serviços de Psiquiatria e as crianças entregues aos cuidados da Pediatria daquela unidade hospitalar.

[Notícia sugerida por Carla Neves e Maria Manuela Mendes]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close