Sociedade

Videovigilância em 700 escolas arranca em setembro

O sistema de videovigilância previsto para as escolas do 2º e 3º ciclos e do Ensino Secundário vai arrancar em setembro próximo em 700 escolas, segundo confirmou ao DN a empresa responsável por equipar a rede escolar com estes aparelhos. A ONI garant
Versão para impressão
O sistema de videovigilância previsto para as escolas do 2º e 3º ciclos e do Ensino Secundário vai arrancar em setembro próximo em 700 escolas, segundo confirmou ao DN a empresa responsável por equipar a rede escolar com estes aparelhos. A ONI garantiu ainda que até dezembro irão estar operacionais em 1.000 estabelecimentos de ensino.

De acordo com a edição desta quinta-feira do Diário de Notícias, a Parque Escolar está ainda a concluir as obras de requalificação em outras duas centenas de escolas, que aguardam, assim, para poderem instalar a rede de câmaras. No total serão 1.200 estabelecimentos de ensino equipados com a rede de videovigilância, tal como previsto pelo Ministério da Educação.

Para garantir a privacidade de alunos e funcionários, a Comissão Nacional de Protecção de Dados estabeleceu regras para a instalação das câmaras nas escolas. Não podem estar direcionadas para zonas de recreio e salas de aula, mas apenas em locais de acesso à escola e nas suas imediações, conforme explicou ao DN Isabel Cruz, da Comissão.  

O concurso público para a videovigilância nas escolas foi lançado pelo Ministério da Educação em 2007, mas sofreu atrasos porque o tribunal teve de decidir sobre uma queixa apresentada por uma das empresas concorrentes, a Compta.

A informação sobre a operacionalidade do sistema de videovigilância nas escolas surge um dia depois de se ficar a conhecer que a Escola Secundária de Cacilhas foi assaltada quatro vezes em pouco mais de uma semana.

O sistema é assim aguardado com expectativa por muitas escolas como forma de garantir uma maior segurança aos alunos mas também à propriedade escolar.

“É óptimo para as escolas, porque vem remediar um problema”, explicou à TSF o presidente da Associação de Directores das Escolas Públicas  Adalmiro Fonseca. O mesmo responsável sublinhou, contudo, que a videovigilância nas escolas não vai resolver todos os problemas de violência nos estabelecimentos de ensino.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close