Fitness & Bem-estar

Viagem ao séc. XIX no Chalet da Condessa d’Edla

O cenário romântico construído por D. Fernando II e pela condessa de d'Edla, reabriu. Entre o verde luxuriante do Parque da Pena, o Chalet da Condessa d'Edla está de volta com o brilho intenso de outros tempos.
Versão para impressão
Entre o verde luxuriante do Parque da Pena, o Chalet da Condessa d'Edla está de volta com o brilho de outros tempos. O cenário romântico construído por D. Fernando II e pela sua segunda mulher, a condessa de d’Edla, reabriu, em Abril, (quase) completamente recuperado.

por Patrícia Maia


Estão de volta as cores originais das paredes pintadas com padrões minuciosos, os tetos e as paredes trabalhadas em estuque, as madeiras rendilhadas dos vãos das escadas. Com base em fotografias e vestígios encontrados no local, a equipa de restauro fez questão “de manter exatamente a traça original” da casa, explicou ao Boas Notícias, no dia da reabertura, José Maria Lobo de Carvalho, arquiteto responsável por coordenar a recuperação do Chalet. 

Image and video hosting by TinyPicDesta construção romântica destaca-se, sobretudo, a presença predominante da cortiça. O arquiteto explica que a extensa utilização deste material revela a sensibilidade de “D. Fernando II que, apesar da sua origem alemã, chegou a Portugal e soube reconhecer o valor a cultura portuguesa”.
 

“Embora o chalet seja um conceito alpino, D. Fernando II fez uma combinação inteligente, recorrendo a muitos materiais portugueses como a cortiça”, explica o arquiteto. José Maria Lobo de Carvalho acredita que o casal “se terá inspirado no Convento dos Capuchos onde a cortiça foi usada com fins decorativos” embora tenha ido mais longe “aplicando-a como revestimento”. 

 
Recuperação põe fim a décadas de abandono 

O Chalet e o Jardim, localizados na zona ocidental do Parque da Pena, foram construídos pelo rei consorte, já depois da morte da sua primeira esposa, a rainha D. Maria II. Em 1869, ano em que casou com a a cantora de ópera Elise Hensler (mais tarde Condessa d’Edla), o refúgio já estava concluído.

Depois da morte da condessa, em 1929, o Chalet passou para as mãos do Estado e esteve, durante décadas, votado ao abandono. O cenário piorou em 1999, quando um incêndio transformou o chalet numa autêntica ruína com apenas algumas paredes exteriores. Em 2007, a Parques de Sintra iniciou a recuperação do jardim e do edifício apoiada pelo fundo EEA-Grants.
 

Image and video hosting by TinyPic


A primeira inauguração do espaço restaurado foi em 2011 mas, nessa altura, apenas as paredes exteriores e a Sala das Heras estavam recuperadas. Agora, o chalet está praticamente concluído faltando apenas reconstruir, numa terceira fase, os painéis de cortiça que revestiam as paredes e os tetos da Casa de Jantar e do Quarto de vestir do Rei D. Fernando, e o pavimento decorativo de uma das entradas, do qual subsistiram fragmentos.

Um jardim com plantas de todo o mundo

 
O jardim com cerca de um hectare e meio que envolve o chalet, marcado pela presença carismática de grandes rochedos, é parte fundamental do refúgio construído pelo casal. Muito interessados pela botânica, D. Fernando II e a condessa levaram para Sintra espécies de todo o mundo.

“Aqui à volta temos aquilo a que se pode chamar um jardim botânico, romântico, que é o resultado de  uma paixão muito grande pela natureza”, explica o arquiteto. Os caminhos e bancos deste cenário botânico foram cuidadosamente planeados de forma a permitir observar vistas para o Palácio da Pena, o Chalet e o Castelo dos Mouros. 

Image and video hosting by TinyPic

Uma exposição com objetos e mobiliário da época

Para além da recuperação das salas de cortiça, a Parques de Sintra pretende levar a recuperação do chalet mais longe, estando prevista, para breve, a inauguração de uma mostra com conteúdos sobre o restauro e uma exposição com mobiliário e alguns objetos da condessa de forma a oferecer uma interpretação histórica mais completa do espaço.

Nessa altura, será possível reviver, de uma forma ainda mais autêntica, o universo artístico e cultural partilhado por D. Fernando II e pela condessa, que foram mecenas de vários artistas portugueses, entre eles o mestre Columbano Bordalo Pinheiro e o pianista Viana da Mota. 

Clique AQUI para ver uma galeria com fotos e AQUI para visitar o micro site do Chalet da Condessa d'Edla com informação sobre horários de visita e os preços dos bilhetes.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close