Consultório Médico Em Destaque

Verão deve ser sinónimo de proteção!

Com a chegada do verão chegam também os dias longos que convidam às esplanadas, a dias de praia e piscina e a longos períodos de exposição solar.
Versão para impressão

 

por Rita Fernandes Ferreira, médica de Medicina Geral e Familiar

A Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo prevê em 2018 sejam diagnosticados mais de 12 mil novos casos de cancro de pele. Uma das principais medidas para diminuir este risco é o uso de protetor solar, não só na praia ou piscina, mas de forma diária. Sabe como escolher o seu protetor solar?

Os protetores solares são produtos que combinam diferentes ingredientes formando um filtro químico ou físico para a radiação ultravioleta (UV). Há dois tipos de radiação UV, os raios UVA e os raios UVB. Os primeiros penetram mais profundamente na pele e estão associados ao fotoenvelhecimento, além de exacerbarem os efeitos carcinogénicos dos raios UVB, os quais incidem mais superficialmente na pele e são responsáveis pelas comuns queimaduras solares.

A capacidade de defender a pele dos raios UVB é indicada pelo fator de proteção solar, apresentado nos rótulos através das siglas FPS ou SPF (do inglês Sun Protection Factor). Para perceber melhor o significado deste valor fica o exemplo: para uma determinada pessoa, se demorar 20 minutos para que a pele comece a queimar quando exposta ao sol, ao usar um protetor solar FPS 15 levará cerca de 5 horas a acontecer o mesmo, ou seja, 15 vezes mais tempo. Sendo esta uma medida laboratorial, na prática há variabilidade interpessoal. A Organização Mundial de Saúde recomenda o uso no mínimo de um FPS 15, que contenha também filtros contra raios UVA. A aplicação deve ser em toda a pele 30 minutos antes da exposição solar e não se deve esquecer de áreas como as pálpebras, do nariz, dos lábios e das orelhas. É necessário repetir a aplicação a cada 2 horas e sempre que transpire em demasia ou vá dar um mergulho ao mar/piscina.

Em caso de queimadura solar, vulgarmente definida como escaldão, pode aplicar sobre a queimadura panos húmidos e frios durante 10 a 15 minutos, várias vezes por dia para aliviar o calor e a dor. Depois, aplique uma loção hidratante ou gel de aloé vera durante os dias seguintes. Se aparecerem bolhas, não as deve rebentar pelo risco de infetarem. Pode aliviar a dor com paracetamol ou ibuprofeno. E não se esqueça de proteger a pele queimada de novas exposições solares. Deve recorrer ao médico caso a queimadura solar curse com bolhas grandes e dolorosas ou se concomitantemente surgir febre, calafrios, náuseas, sensação de enjoo, ou debilidade.

Outros conselhos a não esquecer:

  • Evite a exposição solar entre as 11 e as 16 horas. Cuidado mesmo em dias nublados;
  • Na montanha, tenha em conta que a intensidade dos raios solares é maior devido à altitude e pode queimar a pele em menos tempo;
  • Os raios solares refletem-se na água, na areia e na neve. Portanto, deve proteger-se também quando está dentro de água, debaixo de um chapéu de sol ou na neve;
  • Deve fazer refeições leves e mais frequentes;
  • Aumente a ingestão de água, ou sumos de fruta natural sem açúcar.

 

 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close