i9magazine

Valorização do conhecimento: o desafio da inovação nacional

Versão para impressão

A taxa de crescimento média do desempenho português ao longo deste período fixou-se em 0,9, dois pontos acima da média europeia (0,7), segundo o European Innovation Scoreboard 2016. O ranking de inovação da Comissão Europeia regista ainda uma melhoria da performance nacional em 13 dos 25 indicadores analisados e demonstra que, em 2014 e 2015, o desempenho de Portugal em matéria de inovação aumentou para 80% da média europeia.

Esta evolução não foi, ainda assim, suficiente para segurar a posição ocupada por Portugal no ranking europeu. Atualmente na 18ª posição do ranking, o país cai uma posição face a 2015, pelo que se mantém no grupo de países “moderadamente inovadores”, isto é com performances em inovação inferiores à média europeia, acompanhado pela Croácia, Chipre, República Checa, Estónia, Grécia, Hungria, Itália, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia, Eslováquia e Espanha.

Analisando estes resultados ao detalhe, percebemos que os recursos humanos e a excelência dos sistemas de investigação se assumem como os pontos fortes da economia de inovação em Portugal. Com efeito, é nos indicadores “copublicações científicas internacionais” e “novos doutorados graduados” que o país regista os resultados mais positivos. O desempenho português supera a média europeia em mais quatro indicadores. Contudo, Portugal ainda aparece abaixo da média europeia na maioria dos indicadores, particularmente ao nível dos impactos na economia e na utilização de ativos intelectuais, com os indicadores “receitas internacionais provenientes de licenciamento e patentes”, “submissão de patentes” e “submissão de patentes para desafios societais” a apresentarem desempenhos significativamente abaixo da média europeia.

Temos, deste modo, um desafio pela frente: transformar o esforço de Investigação & Desenvolvimento (I&D) em resultados com impacto económico. A Agência Nacional de Inovação (ANI) pretende contribuir para esta valorização do conhecimento, incrementando e melhorando a colaboração e articulação entre empresas e Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SCTN). Acreditamos que esse caminho deverá ser trilhado apostando na integração e na complementaridade de instrumentos ao longo da cadeia de valor de transferência e comercialização do conhecimento. Os novos concursos públicos lançados pelo Governo no âmbito do Portugal 2020, com uma dotação orçamental superior a 47 milhões de euros para o reforço da I&D, desenvolvimento tecnológico e inovação, assumem-se como uma excelente oportunidade para apoiar e qualificar a I&I em colaboração entre empresas e entidades científicas.

O conteúdo Valorização do conhecimento: o desafio da inovação nacional aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close