Saúde

Vacina portuguesa para prevenir cancro do estômago

Uma equipa de investigadores portugueses está a desenvolver uma vacina única com potencial para evitar o cancro do estômago e outras patologias gástricas como é o caso das úlceras.
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores portugueses está a desenvolver uma vacina única com potencial para evitar o cancro do estômago e outras patologias gástricas. O objetivo é responder à elevada necessidade de prevenir e tratar infeções causadas pela bactéria Helicobacter pylori, que afeta cerca de 50% da população mundial e é a principal causa destas doenças.
 
por CATARINA FERREIRA
 
O projeto arrancou em 2006, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, nascendo graças a uma colaboração entre a Faculdade de Engenharia da Universidade Católica Portuguesa (FEUCP) e a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (FFUL). 
 
Em entrevista ao Boas Notícias, Cecília Calado, professora da FEUCP envolvida na investigação, afirma que, a concretizar-se, “a vacina seria uma forma muito mais barata, eficiente e eficaz de prevenir e tratar a infeção” pela bactéria H. pylori, “evitando, assim, a grande maioria das úlceras e do cancro do estômago”.
 
Uma terapia deste tipo tem sido “muito desejada a nível mundial”, salienta a docente. Para já não existe qualquer vacina comercial com o mesmo propósito na Europa e nos EUA, existindo apenas uma idêntica na China “que falha em 30% dos casos”, adianta Cecília Calado, acrescentando que está também “em testes clínicos uma vacina da Novartis que, no entanto, não abrange tantas estirpes” como a proposta em causa. 
 
A “grande dificuldade associada ao desenvolvimento de uma vacina destas” é, aliás, conforme esclarece a investigadora, a existência de uma grande diversidades de estirpes da bactéria em questão. Considerando esta realidade, a equipa portuguesa propõe “uma vacina universal” contra as diversas estirpes existentes, o que torna este trabalho único.
 
Até ao momento os resultados têm sido positivos: os ensaios realizados em animais evidenciaram “uma resposta imunológica muito específica contra diversas estirpes” da H.pylori, o que deixa a equipa otimista em relação ao futuro.
 
“O nosso objetivo é concluir a otimização da construção da vacina e passar aos testes pré-clínicos”, revela a docente, que coordena atualmente a licenciatura e o mestrado em Engenharia Biomédica da FEUCP. Para que tal seja possível a investigação vai necessitar, no entanto, de um novo financiamento, pelo que está a ser estudada “a implementação de uma empresa com este fim”.
 
Atualmente, a única forma de curar a infeção por H.pylori é passar por um tratamento que engloba três medicamentos – dois antibióticos e um inibidor de bomba de protões – mas que já falha em cerca de 20% dos casos.

Se chegar ao mercado, a vacina portuguesa poderá, portanto, prevenir a patologia gástrica, diminuindo os riscos de úlceras do estômago e duodenais e, em última instância, de vir a sofrer de cancro.

[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes e Elsa Martins]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close