Ciência

Vacina contra a heroína testada com sucesso

Uma equipa de cientistas do Instituto de Investigação Scripps (TSRI) obteve sucesso na realização de testes pré-clínicos de uma nova vacina contra a dependência de heroína, testada em ratos de laboratório.
Versão para impressão
Uma equipa de cientistas do Instituto de Investigação Scripps (TSRI) obteve sucesso na realização de testes pré-clínicos de uma nova vacina contra a dependência de heroína, testada em ratos de laboratório.

Segundo o comunicado do TSRI, esta vacina tem como objetivo neutralizar os subprodutos psicoativos da heroína no sangue, evitando que estes cheguem ao cérebro e provoquem dependência. 

“Quando os ratos viciados em heroína são privados desta droga, o normal é que a tomem compulsivamente quando a voltam a ter. Mas a nossa vacina evita que isso aconteça”, explicou George F. Koob, presidente do grupo de pesquisa de vícios no TSRI.

Vacinas contra a cocaína, nicotina e meta-anfetamina estão já em fase experimental, adianta o comunicado. Normalmente, a estrutura das moléculas das drogas comuns são demasiado pequenas e simples, conseguindo estimular o sistema imunitário pela sua simples presença.

Mas os criadores de vacinas conseguiram superar esse obstáculo através da aposição de proteínas a fragmentos-chave da droga, desenvolvendo moléculas maiores, capazes de dar uma resposta imunitária.

No caso da heroína, foi particularmente difícil conseguir desenvolver uma vacina, porque esta droga decompõe-se rapidamente na corrente sanguínea após a injeção. Este é um processo muito rápido, em que se gera o composto 6-acetilmorfina, que é responsável por grande parte do efeito desta droga.

Vacina pode ser combinada com outras terapias

Este teste realizado em ratos que têm uma profunda dependência da droga – treinados ao ponto de pressionarem uma alavanca para obterem uma infusão de heroína – levou a concluir que os ratos que receberam a vacina, quando expostos novamente à droga, não desenvolviam o mesmo comportamento de dependência, ao contrário dos que não receberam a vacina.

Ainda que a vacina iniba a entrada de heroína no cérebro, esta não bloqueia os efeitos da metadona – ou de outras substâncias utilizadas no tratamento da toxicodependência – pelo que, em princípio, é possível administrá-la em simultâneo com outras terapias convencionais, antecipou um dos coautores desta invenção.

Kim Janda, outro dos investigadores, esclareceu que “a vacina acompanha a droga, mantendo os produtos de degradação ativos fora do cérebro”. No entanto, prevê fazer ainda algumas alterações ao produto, até que este possa começar a ser administrado em seres humanos.  

Atualmente, estima-se que a dependência da heroína afete cerca de dez milhões de pessoas em todo o mundo.

Notícia sugerida por Carla Neves

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close