Saúde

Vacina comum pode proteger contra leucemia infantil

Cientistas norte-americanos descobriram que uma vacina comumente administrada em crianças para prevenção de otites e da meningite (e que faz parte do programa de vacinação nacional) pode reduzir o risco de leucemia linfoblástica aguda.
Versão para impressão
Cientistas norte-americanos descobriram que uma vacina comumente administrada em crianças para prevenção de otites e da meningite (e que faz parte do programa de vacinação nacional) pode reduzir o risco de leucemia linfoblástica aguda (LLA), o tipo mais frequente de cancro infantil. 
 
De acordo com um estudo realizado pela Universidade da Califórnia (UCSF) – São Francisco, nos EUA, a vacina do HIB (“Haemophilus influenza tipo b”), que protege contra doenças causadas pela bactéria com o mesmo nome e integra o Plano Nacional de Vacinação português, consegue, também, prevenir a LLA.
 
Embora já tivesse sido estabelecido em vários estudos epidemiológicos, este caráter protetor da vacina contra a leucemia é ainda pouco conhecido do público em geral e só agora os investigadores conseguiram entender qual o mecanismo que o explica, mecanismo esse que revelaram no trabalho publicado esta segunda-feira na revista científica Nature Immunology. 
 
Segundo os cientistas, muitos bebés apresentam, à nascença, na corrente sanguínea, os chamados “oncogenes”, ou seja, genes com potencial para provocar cancro, apesar de apenas um em cada 10.000 recém-nascidos desenvolver a doença. 
 
As infeções recorrentes com o virus HIB levam, porém, a que que determinados genes do sistema imunitário entrem em sobrecarga, convertendo estas células sanguíneas “pré-leucemia” em cancro, o que justifica o aparecimento da patologia.

Os investigadores da UCSF decidiram, portanto, avaliar o risco de a inflamação crónica causada por infeções recorrentes provocar “danos colaterais” (as chamadas lesões genéticas) nas células sanguíneas que já transportam “oncogenes”, promovendo a sua transformação numa efetiva doença oncológica. 

Equipa vai também analisar vacinas contra infeções virais
 

Em experiências com ratinhos, a equipa analisou duas enzimas conhecidas como AID e RAG, que, por norma, são necessárias para uma resposta imunitária normal mas, em casos de infeção crónica, se tornam “hiperativas”, levando a mutações genéticas aleatória e a uma reação exagerada do sistema imunitário e abrindo, consequentemente, portas ao cancro. 

É aqui que entra a vantagem da vacinação: ao serem vacinadas, as crianças ficam “amplamente protegidas e adquirem uma maior imunidade a longo-prazo”, uma vez que as vacinas previnem as infeções, reduzindo a frequência das reações “recorrentes e veementes” do sistema imunitário que, muitas vezes, desencadeiam a leucemia.

“Estas experiências ajudam a explicar por que razão a incidência da leucemia se tem reduzido drasticamente desde o advento das vacinações regulares na infância”, sublinha Marcus Müschen, professor de Medicina Laboratorial da USCF, em comunicado. 
 
Apesar de terem estudado, especificamente, as infeções por HIB – infeções bacterianas – os cientistas acreditam que é possível que os mesmos mecanismos se observem em infeções virais.

Por essa razão, a equipa está, neste momento, a realizar testes para apurar se vacinas como, por exemplo, a “Tríplice Viral” (vacina conjunta contra o Sarampo a Rubeóla e a Papeira), podem, também, proteger contra a leucemia. 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close