Ambiente

UMinho: Resíduos dos laticínios ganham utilidade

Uma tecnologia pioneira que permite a recuperação e valorização dos resíduos da indústria dos laticínios é a nova aposta do Departamento de Engenharia Biológica (DEB) da Universidade do Minho.
Versão para impressão
Uma tecnologia pioneira que permite a recuperação e valorização dos resíduos da indústria dos laticínios é a nova aposta do Departamento de Engenharia Biológica (DEB) da Universidade do Minho (UMinho), que se encontra a trabalhar em parceria com a spin-off Biotempo – Consultoria em Biotecnologia. Esta biorrefinaria permitirá que os subprodutos sejam totalmente recuperados e convertidos noutros produtos de valor acrescentado.
 

Em comunicado, a UMinho explica que esta unidade, que já está em testes, transforma o soro do queijo em mais de uma dezena de produtos a serem utilizados em vários setores de produção, desde a alimentação à saúde, passando pela coméstica. 
 
A biorrefinaria terá capacidade para tratar diariamente um milhão de litros de resíduos, não apenas o soro do queijo mas também o leite e iogurte estragado ou fora do prazo.Os subprodutos tratados darão origem por exemplo, a concentrados proteicos para o setor alimentar, prébioóticos, bioetanol, lactose refinada e água ultrapura para a indústria farmacêutica, bem como sais para a agricultura.
 
As águas residuais resultantes da lavagem de máquinas e camiões e a biomassa produzida serão também reencaminhadas para uma “unidade de digestão anaeróbia” e transformadas em biogás para a posterior produção de energia elétrica. 
 

“O processo desenvolvido vai ter um impacto económico relevante nesta região, uma vez que permitirá acrescentar valor a um subproduto que, atualmente, é um problema ambiental grave”, acredita José Teixeira, professor catedrático do DEB e coordenador científico do projeto.
 
“A capacidade instalada, a tecnologia pioneira e as caraterísticas dos produtos obtidos, bem como a ausência de efluentes, garantem o sucesso desta biorrefinaria que se espera que venha a constituir uma unidade industrial de referência no setor lácteo”, antevê o responsável.
 
Desde o início dos anos 90 que o DEB tem apostado na valorização do soro do queijo, estando previsto um investimento de cerca de 35 milhões de euros e, numa fase mais adiantada, o alargamento da tipologia de resíduos a tratar e a instalação desta biorrefinaria, em fase de testes, em Portugal e noutros países do mundo. Uma destas unidades, construída à escala industrial, deverá ser, ainda este ano, instalada no Brasil.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close