Ambiente

UMinho: Reaproveitar resíduos pela sustentabilidade

A Universidade do Minho é uma das parceiras do projeto internacional TRANSBIO, destinado a reaproveitar resíduos da indústria de frutas e hortícolas por meio do desenvolvimento de tecnologias "amigas do ambiente".
Versão para impressão
A Universidade do Minho é uma das parceiras do projeto internacional TRANSBIO, destinado a reaproveitar resíduos da indústria de frutas e hortícolas por meio do desenvolvimento de tecnologias “amigas do ambiente”. O consórcio junta 16 parceiros de nove países e permitirá a criação de bioprodutos para aplicar nos diversos setores da economia mundial.
 
O TRANSBIO, programa financiado pela Comissão Europeia, pretende responder à necessidade de aproveitar da melhor forma os cerca de 200 milhões de toneladas de resíduos de frutas e vegetais produzidos anualmente na Europa. 
 
Mais especificamente, os parceiros envolvidos propõem-se desenvolver tecnologias de fermentação, utilizando bactérias, leveduras e fungos, e recorrer à conversão enzimática para obter produtos de valor acrescentado como bioplásticos, ácido succínico e enzimas, que poderão ser utilizadas em variadas áreas. Ao mesmo tempo, pretendem implementar um conceito inovador para a gestão sustentável da biomassa obtida através da biotransformação de frutos e vegetais. 
 
Uma resposta à escassez de petróleo
 
Em comunicado enviado ao Boas Notícias, Dorit Schuller, professora do Departamento de Biologia da Escola de Ciências da UMinho, explica que “a biotecnologia industrial é essencial para a construção de uma bio-economia baseada no conhecimento e na criação de produtos e tecnologias sustentáveis e eficientes do ponto de vista ecológico”.
 
Segundo Schuller, “o uso continuado do petróleo como matéria-prima representa um obstáculo sério para o desenvolvimento económico sustentável, contribuindo também de forma significativa para o esgotamento de matérias-primas não-renováveis e a deterioração do meio-ambiente”. 
 
Por outro lado, aponta a doutorada, que tem centrado o seu trabalho na área da biotecnologia e da genómica de leveduras, as biorrefinarias – que sintetizam produtos químicos industriais a partir de matérias-primas renováveis através de processos biotecnológicos que envolvem microrganismos – são “o único caminho” para o desenvolvimento sustentável da indústria mundial.
 
Segundo a investigadora, esta abordagem “vai subsituir ou complementar os processos químicos atualmente utilizados e vai gerar novos produtos, predominantemente baseados em matérias-primas renováveis”. 
 
Além da UMinho, o consórcio conta com a participação da portuguesa Biotrend – Inovação e Engenharia em Biotecnologia e engloba também entidades de Espanha, Bélgica, Alemanha, Costa Rica, Argentina, México e Roménia. 
 
Clique AQUI para aceder ao site do projeto TRASNBIO.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close