Saúde

UMinho: Proteína do leite previne cancro da mama

Investigadores do Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho (UMinho), liderados por Lígia Rodrigues, descobriram que a lactoferrina, uma proteína do leite, é decisiva no tratamento e prevenção do cancro da mama.
Versão para impressão
Investigadores do Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho (UMinho), liderados por Lígia Rodrigues, descobriram que a lactoferrina, uma proteína do leite, é decisiva no tratamento e prevenção do cancro da mama.
 
O estudo, recentemente publicado no Journal of Dairy Science, concluiu que o tratamento de células cancerosas com lactoferrina de leite bovino reduziu a sua viabilidade para metade e a sua proliferação em quase dois terços.
 
Em comunicado da UMinho, Lígia Rodrigues (na foto), líder da equipa de investigação, explica que “a investigação pode ter particular relevância para a indústria alimentar”, já que “o consumo de leite e derivados, ou mesmo produtos enriquecidos com lactoferrina, pode no futuro constituir uma forma natural de prevenir o cancro da mama ou de melhorar o tratamento dos pacientes.
 
A professora do Departamento de Engenharia Biológica, da Escola de Engenharia da UMinho, sublinha que esta proteína é reportada como um importante agente em vários tipos de cancro.

A investigadora adianta ainda que agora vão ser feitos estudos complementares para clarificar o papel potencial da lactoferrina, designadamente os mecanismos de ação das suas substâncias ativas e que quantidades devem ser incluídas na dieta humana para produzir benefícios.

Da equipa de investigação também fizeram parte José António Couto Teixeira, Cristina Duarte e Yunlei Zang, todos Centro de Engenharia Biológica da UMinho.

 
A lactoferrina, constituída por 703 aminoácidos, encontra-se predominantemente nos produtos de excreção das glândulas exócrinas dos aparelhos digestivo, respiratório e reprodutivo. Assim, é possível encontrar esta proteína no leite, nas lágrimas, na saliva e no sémen. Adicionalmente, a lactoferrina pode também ser encontrada no sangue.
 
Pode consultar o artigo publicado pelos investigadores da Universidade do Minho no Journal of Dairy Science, AQUI.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close