Saúde

UMinho cria pensos que detetam infeções em feridas

Um grupo de investigadores do Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho (CEB) está a trabalhar num projeto destinado ao desenvolvimento de pensos capazes de detetar precocemente pensos em feridas.
Versão para impressão
Um grupo de investigadores do Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho (CEB) está a trabalhar num projeto destinado ao desenvolvimento de pensos capazes de detetar precocemente pensos em feridas, identificando também a resposta mais adequada a cada situação.
 
O sistema e material desenvolvidos pelo CEB deverão, no futuro, ser integrados em pensos convencionais, o que vai permitir tratamentos mais rápidos e eficazes, explica um comunicado enviado pela UMinho ao Boas Notícias.
 
De acordo com Artur-Cavaco Paulo, investigador responsável pelo projeto “InFact”, no qual participou, também, a aluna de doutoramento Ana Vanessa Ferreira, a equipa descobriu “como converter os materiais curativos de feridas numa ferramenta de diagnóstico capaz de informar o doente e o clínico sobre o estado da ferida”. 
 
A partir desta ferramenta inovadora, os investigadores vão criar um protótipo para diagnosticar as infeções no local da ferida e preparar uma linha de tratamento mais proativa. Além disso, os novos pensos dispor de sistemas de cores específicos para cada enzima, o que permitirá avaliar de forma rápida e simples a progressão da cicatrização da ferida. 
 
Atualmente, o diagnóstico de uma ferida infeta é feito apenas quando a patologia já é evidente, o que possibilita o aparecimento de complicações. Quando se descobre uma infeção, por exemplo, o clínico tem, numa primeira fase, de iniciar um tratamento com antibióticos, o que pode levar ao desenvolvimento da resistência das bactérias a certos medicamentos, ilustra a UMinho.
 
Segundo os investigadores, o projeto “InFact” ambiciona, desta forma, contribuir para “combater estas complicações e melhorar a qualidade de vida de milhares de pessoas”. 
 
Artur Cavaco-Paulo doutou-se na Universidade do Minho e é, atualmente, professor assistente naquela instituição universitária, exercendo, também, funções de investigação na área da Biotecnologia e Bioengenharia de Saúde.
 
Além disso, o português integra o grupo de investigação BBRG (Bioprocess and Bionanotechnology Research Group) do Centro de Engenharia Biológica e conta com inúmeras publicações com o seu nome e com dois projetos de investigação em desenvolvimento.
 
O Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho é um centro de investigação, altamente tecnológico, que opera nas principais áreas da Biotecnologia e Bioengenharia. 
 
Em atividade desde 1995, e desde 2002 distinguido com o grau Excelência, o Centro tem como principal objetivo a integração entre a engenharia e as ciências da vida, de forma a potenciar o desenvolvimento de bioprocessos industriais inovadores.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close