Ciência

Uma “superterra” a apenas 42 anos-luz de distância

Acaba de ser anunciada a descoberta do que os astrónomos julgam ser uma nova "superterra", planeta que poderá ter um clima semelhante ao da Terra e caraterísticas adequadas para permitir a existência de vida a apenas 42 anos-luz.
Versão para impressão
Acaba de ser anunciada a descoberta do que os astrónomos julgam ser uma nova “superterra”, planeta que poderá ter um clima semelhante ao da Terra e caraterísticas adequadas para permitir a existência de vida a apenas 42 anos-luz de distância do nosso sistema solar.

O achado foi feito por uma equipa internacional de astrónomos coordenada por Mikko Tuomi, da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, e Guillem Anglada-Escudé, da universidade alemã de Göttingen.

 
De acordo com os cientistas, esta “superterra” está localizada na zona habitável (Goldilocks) de uma estrela próxima, integrando um sistema de seis planetas. Inicialmente, a equipa pensava que este sistema planetário contava apenas com três planetas, mas o uso de técnicas inovadoras possibilitou evitar sinais falsos das estrelas e identificar três outros até agora desconhecidos.
 
“Utilizámos técnicas pioneiras de análise de dados que nos permitiram reduzir a influência da atividade estelar, que distorcia os resultados. Esse facto aumentou significativamente a nossa sensibilidade e deu-nos capacidade de revelar três novas 'superterras' em redor da estrela HD 40307”, explica Mikko Tuomi em comunicado.
 
Segundo os astrónomos, de entre estes planetas, há um que sobressai: trata-se de um planeta que orbita a sua estrela a uma distância semelhante àquela a que a Terra orbita o nosso Sol, o que faz com que receba uma quantidade similar de energia, aumentando a possibilidade de ser habitável.

“Descoberta entusiasmante”

 
Além de, graças a este fator, ser possível considerar a existência de água em estado líquido e de uma atmosfera estável para que haja vida, o planeta parece também rodar sobre o seu próprio eixo – como acontece com a Terra – gerando um ciclo de dia e noite que poderá ser idêntico àquele que conhecemos.
 
“A estrela HD 40307 é uma velha estrela anã-vermelha perfeitamente estável, pelo que não há razão para que o planeta em causa não possa albergar um clima semelhante ao clima terrestre”, afirma Guillem Anglada-Escudé. As caraterísticas da órbita do planeta – o HD 40307g – significam igualmente que o clima e a atmosfera podem ser ideais para que tal aconteça.
 
Na opinião de David Pinfield, da Universidade de Hertfordshire, “descobertas como esta são verdadeiramente entusiasmantes e este tipo de sistema será um 'alvo' natural para a próxima geração de grandes telescópios, quer em Terra, quer no espaço”. 

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na sexta-feira na revista científica Astronomy and Astrophysics.

[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close