Mundo

Um pai que decidiu usar saia para apoiar o filho

Quando o filho começou a ser gozado por colegas e estranhos, Nils Pickert decidiu evitar o caminho mais fácil - proibí-lo de o fazer - e optou por, também ele, vestir uma saia em solidariedade para com o menino.
Versão para impressão
Quando começou, por vontade própria, a usar saias e vestidos, não tardou até que o filho do alemão Nils Pickert, de apenas cinco anos, passasse a ser alvo de gozo por parte dos colegas de escola e dos estranhos que com ele se cruzavam na rua. Perante a situação, o pai decidiu evitar o caminho mais fácil – proibí-lo de o fazer – e optou por, também ele, vestir uma saia em solidariedade para com o menino. O gesto está já a valer-lhe o título de “pai do século”.
 
“Não queria dizer ao meu filho que não podia usar vestidos ou saias” como gostava de fazer, contou o progenitor à revista alemã EMMA, que avançou a história. “Portanto, só tinha uma hipótese. Assumir uma posição pelo meu homenzinho e vestir, eu próprio, uma saia também”, acrescentou.
 
Quando viviam em Berlim, a vontade do pequeno parecia não ser um problema. Porém, depois de se mudarem para uma vila pequena e muito religiosa no sul da Alemanha, a criança passou a sentir-se envergonhada e triste. Portanto, pediu ao pai se voltava a usar um vestido.
 
Para choque dos habitantes, Pickert decidiu fazê-lo e, apesar do burburinho que gerou, não se arrepende, porque conseguiu devolver ao filho a confiança que lhe faltava. “Não podemos esperar que uma criança em idade pré-escolar tenha a capacidade de assumir uma postura de adulto sem ter um modelo a seguir. E eu decidi tornar-me esse modelo”, sublinhou, citado pela publicação germânica.
 
Indiferente às críticas, Pickert garante que o filho está muito mais feliz e seguro. “Até hoje sinto-me grato por uma senhora que, uma vez, por ir na rua a olhar-nos tão fixamente, acabou por bater contra um poste da luz. Ele riu-se muito e, no dia a seguir, tirou um vestido do fundo do armário. Primeiro, só por um fim-de-semana. Depois, até para ir para a escola”, recorda.
 
O progenitor, que se considera “parte da minoria que não se importa de passar por tonta de tempos a tempos por convicção”, revela que a criança não mais parou de sorrir. 
 
“Quando os outros rapazes – normalmente são só rapazes – gozam com ele, ele responde-lhes: Vocês só não se atrevem a vestir saias e vestidos porque os vossos pais também não têm coragem de o fazer”, conclui, com orgulho.

[Notícia sugerida por Ricardo Pinto]

 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close