Ambiente

UE quer proibir remoção das barbatanas de tubarão

NULL
Versão para impressão

A Comissão Europeia propôs hoje a proibição a proibição da “remoção das barbatanas de tubarões” a bordo dos navios de pesca, prática muitas vezes efetuada quando os animais ainda estão vivos. Segundo o comunicado da Comissão Europeia, o objetivo das novas regras é “proteger melhor as populações vulneráveis de tubarões nos oceanos do mundo”.

A Comissão propõe que, a partir de agora, “todos os navios que pescam nas águas da União europeia (UE) e todos os navios da UE que pescam em qualquer lugar do mundo desembarquem os tubarões com as barbatanas ainda unidas ao corpo”, pode ler-se no comunicado.

Como consequência, os Estados-Membros da UE deixarão de poder emitir autorizações de pesca especiais que permitam aos navios que arvoram o seu pavilhão remover as barbatanas de tubarões a bordo.

“Ao colmatar esta lacuna na nossa legislação, pretendemos erradicar a prática horrível da remoção das barbatanas de tubarões e proteger muito melhor estes animais”, explica no comunicado Maria Damanaki, comissária dos Assuntos Marítimos e Pescas.

“O controlo será mais fácil e tornar tornar-se-á muito mais difícil ocultar a remoção das barbatanas de tubarões. Espero vivamente que o Conselho e o Parlamento Europeu aceitem a nossa proposta, para que se converta em lei o mais rapidamente possível”, salienta a responsável.

Os navios congeladores espanhóis e portugueses são os mais afetados por esta proposta, uma vez que Espanha e Portugal são atualmente os países que emitem o maior número de licenças de transformação a bordo.

A proposta segue agora os trâmites legais da UE, sendo enviada ao Parlamento Europeu e ao Conselho para a adoção final. Assim que seja aprovada, entra  imediatamente em vigor.

Desde 2003 que a UE proíbe a remoção de barbatanas de tubarão a bordo dos navios existindo, no entanto, a autorização para exceções, o que tem sido difícil de controlar por parte da Comissão Europeia.

Atualmente ainda é possível o desembarque das barbatanas e das carcaças em portos diferentes, desde que as primeiras não superem cinco por cento do peso do animal vivo.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close