Saúde

UCoimbra identifica novo composto contra reumatismo

Uma equipa de investigadores portugueses identificou um composto natural (o alfa-pineno) com elevado potencial para o tratamento da osteoartrose, doença vulgarmente conhecida como reumatismo ou artrose, e que é a principal causa de incapacidades moto
Versão para impressão

Uma equipa de investigadores portugueses identificou um composto natural (o alfa-pineno) com elevado potencial para o tratamento da osteoartrose, doença vulgarmente conhecida como reumatismo ou artrose, e que é a principal causa de incapacidades motora e laboral, a partir dos 50 anos.

Iniciada em 2007, a investigação partiu da identificação de um conjunto de óleos essenciais de plantas da flora ibérica – mais concretamente de plantas endémicas de algumas regiões de Portugal (Quiaios, Serra da Estrela, entre outras) – com moléculas ativas sobre a doença articular crónica mais comum.

Até obter esta “família” de moléculas ativas com características promissoras para a terapêutica farmacológica da osteoartrose, os investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra (UC) percorreram um longo caminho.

Partiram de um rastreio biológico guiado e desenvolveram estudos em duas vertentes distintas: obtenção dos óleos essenciais e a sua caracterização química (liderada pelo investigador Carlos Cavaleiro) e a respetiva avaliação farmacológica (sob a coordenação da investigadora Alexandrina Ferreira Mendes).

O objetivo final da investigação, que tem a colaboração do Serviço de Ortopedia dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC), explica Alexandrina Mendes, “é desenvolver um fármaco capaz de, em simultâneo, travar a progressão da doença e promover a regeneração do tecido da cartilagem”.

A cartilagem, que funciona como amortecedor e lubrificante para garantir uma boa articulação e movimento dos ossos, é constituída por uma grande quantidade de proteínas que lhe dão resistência e elasticidade. As células da cartilagem (condrócitos) produzem essas moléculas de modo a substituir as que se vão degradando. No entanto, com o envelhecimento e, sobretudo, com esta doença, predomina a degradação em detrimento da produção.

“Conhecendo os mecanismos-chave é possível identificar moléculas que evitem a destruição e restabeleçam o normal funcionamento daquelas células, ou seja, o equilíbrio da produção – degradação”, sublinha a investigadora em comunicado.

O composto puro identificado pela equipa “demonstrou uma forte seletividade para a cartilagem, isto é, não atuou em outras células do organismo, o que é um bom indicador de que não provoca efeitos colaterais”.

No entanto, observa a docente da Faculdade de Farmácia e investigadora do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC), “apesar destes bons resultados ainda são necessários novos estudos de validação, nomeadamente ensaios pré-clínicos (em modelos animais) e clínicos”.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a osteoartrose, patologia fortemente ligada ao envelhecimento, é uma das 17 doenças prioritárias na área da prevenção e tratamento porque, com a população mundial cada vez mais envelhecida, é previsível agravamento da incidência da doença com um forte impacto social e económico.

“A evolução da doença é um processo longo com custos diretos (consultas, medicamentos, cirurgia) e indiretos (produtividade reduzida e absentismo laboral) muito elevados, tanto para o doente como para o Serviço Nacional de Saúde”, conclui Alexandrina Mendes.
 

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close