Ciência

UCoimbra cria mini-robô para tratar defeitos do maxilar

Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) desenvolveram um pequeno robô que vai revolucionar o tratamento de deformidades faciais, principalmente as que estão associadas ao chamado ?retrognatismo mandibular? que confere aos pacientes um queixo p
Versão para impressão

Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) desenvolveram um pequeno robô que vai revolucionar o tratamento de deformidades faciais, principalmente as que estão associadas ao chamado “retrognatismo mandibular” que confere aos pacientes um queixo pequeno.

A grande inovação deste micro-robô em relação aos distratores ósseos convencionais é permitir “realizar os tratamentos de forma rápida, em ambulatório, com poucos efeitos secundários e praticamente sem limitações”, explicam os investigadores Francisco do Vale, Francisco Caramelo, Germano Veiga e Miguel Amaral, das Faculdades de Medicina e de Ciências e Tecnologia de Coimbra, em comunicado.

“Atualmente, o tratamento obriga a internamento hospitalar para a realização de duas cirurgias delicadas, sob anestesia geral, para a colocação e remoção dos dispositivos; um período incapacitante longo; a monitorização médica duas vezes ao dia; e os riscos inerentes à intervenção, como, por exemplo, a lesão de algumas estruturas nervosas da face.

O núcleo da solução, já protegida por patente provisória, assenta numa microtecnologia única, minimamente invasiva, sem necessidade de anestesia geral e capaz de provocar a distração óssea autonomamente, evitando assim o internamento hospitalar.

Tecnologia 'wireless' pode ser monitorizada à distância

Colocado nos dentes (e não no osso da mandíbula como seria habitual), o distrator é equipado com comunicação sem fios ('wireless') que possibilita a sua programação e monitorização remotas, em tempo real, e minimiza os cuidados médicos diários.

“Por exemplo, o cirurgião e o ortodontista podem monitorizar o processo de distração osteogénica (correção da deficiência) à distância, e ajustar, a qualquer momento, o dispositivo. Assim, doentes de Trás-os-Montes ou do Algarve podem ser tratados a partir de Coimbra sem necessidade de deslocação”, ilustram os investigadores da UC.

Trata-se de um grande passo qualitativo para o conforto e qualidade de vida do paciente, até porque, concluem, “muitas pessoas com esta deficiência procuram uma solução para corrigir a mandíbula e assim melhorar a estética da face e a função mastigatória, mas, principalmente nos casos menos severos, quando confrontadas com duas intervenções cirúrgicas sob anestesia geral e um longo processo de reabilitação, rejeitam o tratamento”.

Provado o conceito e concluídos os ensaios experimentais (em animais), os investigadores preparam-se para o arranque dos ensaios em humanos, o que deverá acontecer até ao final deste ano. No futuro, o novo distrator poderá ainda ser utilizado noutras patologias da Cirurgia máxilo-facial e da ortodontia, na Implantologia e na Ortopedia.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close