Saúde

UAveiro cria dispositivo que pode combater cancro

Investigadores da Universidade de Aveiro (UA) desenvolveram um novo dispositivo, cem mil vezes mais pequeno que um milímetro, aplicável à nanomedicina, que poderá ser usado na destruição seletiva de células tumorais.
Versão para impressão
Investigadores da Universidade de Aveiro (UA) desenvolveram um novo dispositivo, cem mil vezes mais pequeno que um milímetro, aplicável à nanomedicina, que poderá ser usado na destruição seletiva de células tumorais.
 
Trata-se de uma nanoferramenta que junta nanopartículas de ouro – capazes de gerar calor ao absorverem luz infravermelha – e nanotermómetros que, por sua vez, conseguem medir, com enorme precisão, a temperatura gerada neste processo. 
 
O professor Luís Carlos, um dos membros da equipa de investigação, explicou ao Boas Notícias que “esta técnica tem inúmeras aplicações – em circuitos elétricos, sensores fotovoltaicos, na libertação controlada de fármacos e em hipertermia (controlo da temperatura de seres vivos)”.
 
No entanto, um dos principais “potenciais desta nanoferramenta é a sua aplicação no tratamento do cancro”, já que as nanopartículas de ouro (ou prata) podem ser “administradas aos pacientes de forma a acumularem-se nas células cancerígenas e, por aquecimento, será possível causar a morte das células tumorais”, acrescenta.
 
O maior desafio neste tipo de terapias com nanopartículas de metais é “controlar a temperatura de forma a evitar que o calor libertado destrua também as células benignas circundantes”. E é aqui que se encontra a grande novidade do trabalho desenvolvido por esta equipa de cientistas do Centro de Investigação em Materiais Cerâmicos e Compósitos (CICECO) da academia de Aveiro. 
 
A criação desta nova nanoferramenta tornou, agora, “possível aquecer e medir com grande precisão, à escala do nanómetro, o aumento de temperatura provocado pela absorção de luz infravermelha pelas nanopartículas metálicas de ouro” o que causará a destruição das células malignas sem que outras células saudáveis sejam afetadas.
 
O novo dispostivo vai ser descrito num artigo que fará a capa do próximo número da prestigiada revista científica “Advanced Materials”.
 
Para já, a equipa de investigação da UA quer dar os próximos passos no estudo e passar aos testes em células laboratoriais e, posteriormente, em animais.

Notícia sugerida por Maria Pandina, Patrícia Guedes e Carla Neves

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close