Ciência

UAveiro abre caminho para a medicação elétrica

Uma equipa internacional de cientistas, liderada por Andrei Kholkin, da Universidade de Aveiro (UA) descobriu a presença de ferroeletricidade na glicina, um dos mais simples aminoácidos. A descoberta pode abrir caminho para a produção de medicamentos
Versão para impressão
Uma equipa internacional de cientistas, liderada por Andrei Kholkin, da Universidade de Aveiro (UA) descobriu a presença de ferroeletricidade na glicina, um dos mais simples aminoácidos. A descoberta pode abrir caminho para a produção de medicamentos elétricos que facilitem, por exemplo, a regulação das dosagens.

De acordo com o investigador da UA, a propriedade agora descoberta na glicina pode permitir formar a base, por exemplo, para uma memória que programe implantes no corpo humano para entregar medicação exatamente no local e na dosagem necessárias.

A investigação, publicada no Advanced Functional Materials e citada nas revistas New Scientist e nos sites Phys.org e Sciencedaily.com, usou uma combinação de modelagens computadorizadas para identificar e explicar a mudança na polarização na glicina, quando as suas moléculas estão dispostas num tipo particular de rede cristalina e submetidas a um campo elétrico.

A pesquisa, da qual também participaram universidades americanas, abre mais uma porta para a construção de dispositivos de memória feitos de moléculas existentes no organismo humano, que poderão guardar e recuperar informação na forma de domínios ferroelétricos, através da mudança da sua polarização.

A ferroeletricidade é uma propriedade conhecida de materiais sintéticos e inorgânicos, muito explorada para a produção de memórias de computadores e sistemas de armazenamentos de dados. Só em 2011 foi encontrada, pela primeira vez, em moléculas biológicas.

O papel da ferroeletricidade no interior do tecido biológico é ainda uma incógnita para os especialistas, mas já há quem sustente que esta pode ser aproveitada para o desenvolvimento de novas classes de equipamentos bioeletrónicos e de memória.

O artigo pode ser consultado na página da Advanced Functional Materials, AQUI.

[Notícia sugerida por Diana Rodrigues]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close