Ciência

UAlgarve identifica o ser vivo mais antigo da Terra

O ser vivo mais antigo à face da Terra pode ter sido identificado por uma equipa liderada por investigadores da Universidade do Algarve (UA). De acordo com o estudo, a espécie marinha 'Posidonia oceanica' existe há mais de 100 mil anos.
Versão para impressão
O ser vivo mais antigo à face da Terra pode ter sido identificado por uma equipa liderada por investigadores da Universidade do Algarve (UA). De acordo com o estudo, a espécie marinha 'Posidonia oceanica' existe há mais de 100 mil anos.
 
Esta planta pertence ao grupo das plantas espermatófitas que dão flor e fruto. De acordo com o estudo, as amostras recolhidas pelos investigadores provêm de área de 3500 quilómetros e 40 pradarias marinhas do Mar Mediterrâneo, entre Espanha (Girona) e o Chipre, onde a espécie se prolifera.
 
Depois de recolhidas amostras da planta, os cientistas analisaram o seu ADN que revelou a longevidade da planta. Uma das descobertas mais significativas foi a de uma colónia da planta perto da ilha espanhola Formentera, que deverá ter tido a sua origem no período Pleistocénico da Era Cenozóica, ou seja, entre 11 mil e um milhão de anos atrás.
 
Ainda que a espécie se reproduza sexualmente, tinha sido já descoberto que esta também se prolifera clonando-se a si própria, pelo que muitas das plantas são clones de outras mais antigas. Os primeiros exemplares terão centenas de milhares de anos e estendem-se por vastas áreas ainda que lentamente: demoram 600 anos a cobrirem uma área de 80 quilómetros. 
 
Note-se que, até à data, o organismo vivo que se considerava ser o mais antigo era uma alga da Tasmânia, que se pensa ter à volta de 40 mil anos.
 
Equipa internacional liderada por portuguesa
 
A equipa de investigadores, coordenada por Ester Serrão, do Centro de Ciências do Mar (CCM) da Universidade do Algarve, integra também profissionais de centros de investigação franceses, espanhóis e australianos. O estudo foi publicado recentemente na revista americana Public Library of Science One.
 
A durabilidade e o vigor do genoma da planta podem ter sido influenciados pela ausência de plantas endémicas que se apresentem como espécie competitiva na mesma zona, e pela ausência de grandes predadores no seu ecossistema. 
 
Os cientistas esperam que um melhor conhecimento da 'Posidonia oceanica' possa ajudá-la a protegê-la de um declínio de cerca de 10 por cento verificado na sua área de distribuição nos últimos 100 anos, que poderá estar relacionado com as recentes alterações climáticas e o desenvolvimento da costa.

[Notícia sugerida por Ana Guerreiro Pereira e Luís Paulo]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close