Sociedade

Tribunais obrigados a divulgar trabalho na Internet

Os tribunais portugueses vão passar a ser obrigados a divulgar na Internet, anualmente, um relatório que inclua o balanço de atividade, o cumprimento dos objetivos e, se for o caso, a justificação dos principais desvios.
Versão para impressão
Os tribunais portugueses vão passar a ser obrigados a divulgar na Internet, anualmente, um relatório que inclua o balanço de atividade da comarca, o cumprimento dos objetivos definidos para aquele período e, se for o caso, a justificação dos principais desvios. Esta obrigatoriedade insere-se num pacote de reformas que vai ser aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros e que vai reorganizar o funcionamento do sistema judiciário.
 
De acordo com o jornal Público, entre o amplo pacote de reformas que será levado à reunião semanal do Governo pela ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, está a revisão do Código de Processo Civil, a reforma dos julgados de paz e a proposta de lei da mediação, bem como a nova lei de organização da Justiça.
 
Numa nota de imprensa do Ministério da Justiça citada pelo diário português, o executivo explica que esta “é a primeira vez que, para todo o território nacional, se apresenta uma proposta de reorganização dos tribuinais e de alocação dos respetivos recursos humanos à procura registada em concreto pelos cidadãos utilizadores dos serviços da Justiça”.
 
A mesma nota esclarece que, com a reorganização prevista, os 231 tribunais de comarca e os 77 tribunais de competência especializada serão transformados em 23 tribunais judiciais de primeira instância que, na maioria dos casos, vão corresponder aos distritos administrativos. Em cada comarca passará a dispor de um conselho de gestão que contará com um juiz presidente, um procurador coordenador e um administrador judiciária.
 
A elaboração do relatório anual – que será, então, dado a conhecer na Internet – vai ficar a cargo deste conselho, que terá de detalhar toda a informação respeitante ao grau de cumprimento dos objetivos definidos previamente pelos conselhos superiores da Magistratura e do Ministério Público e da tutela. 
 
“Estabeleceu-se, na proposta de diploma em apreço, um esquema de formalização de objetivos estratégicos para o sistema judicial, a articular entre os conselhos e o Ministério da Justiça previamente ao início de cada ano judicial, e de objetivos de gestão para cada comarca, (…) que se refletirá nas avaliações de funcionários e magistrados”, conclui o ministério. 
 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close