Em Destaque Saúde

Tratamento da dor crónica

Hospital Egas Moniz pioneiro no tratamento da dor crónica com sistema inovador
Versão para impressão

 

O Hospital Egas Moniz, em Lisboa, foi o primeiro centro hospitalar do país a disponibilizar um sistema inovador de neuroestimulação com elétrodo cirúrgico, que inclui o implante mais pequeno do mundo de estimulação da espinal medula (EME), para o tratamento de vários tipos de dor crónica.

Este tratamento consiste no implante de um dispositivo sob a pele do doente que distribui impulsos elétricos através de um elétrodo colocado no espaço epidural ou noutra zona da coluna, de forma a bloquear os estímulos enviados para o cérebro.

“A dor crónica é uma condição muito prevalente na população, com um impacto muito negativo na vida dos doentes uma vez que afeta todos os aspetos da sua vida – relações interpessoais, produtividade no trabalho e tarefas do quotidiano. Apesar disso, continua a ser uma condição subvalorizada, subreconhecida e subtratada. O tratamento destes doentes é desafiante e implica necessariamente uma abordagem multidisciplinar, implicando especialistas no tratamento de dor/anestesistas, psiquiatras, psicólogos e uma equipa de enfermagem especializada. Em casos selecionados e refratários a outros tratamentos, pode haver lugar a tratamentos de neuromodulação como a estimulação medular ou estimulação de nervo periférico, desenvolvidos em articulação com os Neurocirurgiões”, revela Carla Reizinho, neurocirurgiã do Grupo de Neuromodulação para o Tratamento da Dor Crónica do Hospital Egas Moniz. “Este sistema em particular, além de proporcionar aos doentes os benefícios da estimulação medular, fomenta a melhoria na comunicação médico-doente através da monitorização das atividades diárias, postura corporal e tratamentos administrados, permitindo ter uma visão mais objetiva da mobilidade e do progresso do doente, por forma a garantir um tratamento mais personalizado e adaptado às necessidades específicas do mesmo”, conclui a especialista.

Este novo tratamento vem dar resposta à necessidade de uma maior bateria do dispositivo, que permitirá melhorar significativamente a qualidade de vida dos destes doentes. A partir de agora é possível carregar o dispositivo totalmente em apenas uma hora e está programado para se adaptar às necessidades de cada doente.

Estudos publicados demonstram que, quando utilizada em alguns doentes com dor crónica previamente identificados, a EME pode proporcionar um alívio da dor a longo prazo, melhorar significativamente a qualidade de vida e reduzir a incapacidade relacionada com a dor e a necessidade de recurso à medicação.

De forma semelhante, a estimulação do nervo periférico (ENP) pode provocar o alívio da dor associada à lombalgia, reduzir a incapacidade relacionada com a dor e consequentemente reduzir a necessidade da toma de medicamentos. A neuroestimulação constitui uma alternativa ao tratamento da dor face ao problema de saúde pública associado ao uso excessivo de opioides.

Outras das inovações deste dispositivo é o facto de permitir a realização de ressonâncias magnéticas, uma vez que grande parte dos doentes precisa de realizar este exame de diagnóstico cinco anos após o implante. O sistema conta ainda com uma tecnologia que se ajusta automaticamente para fornecer a estimulação adequada na localização exata, à medida que a zona onde o doente sente dor se vai alterando, face à posição corporal.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close