Saúde

Tomates roxos podem tratar cancro e outras doenças

Um total de 2.000 litros de sumo de tomates roxos geneticamente modificados e produzidos por cientistas britânicos vai ser testado, no Reino Unido, no combate ao cancro, às patologias cardiovasculares e a outras doenças crónicas.
Versão para impressão
Um total de 2.000 litros de sumo de tomates roxos geneticamente modificados e produzidos por cientistas britânicos vai ser testado, no Reino Unido, no combate ao cancro, às patologias cardiovasculares e a outras doenças crónicas, prevendo-se que venha a apresentar grande potencial em termos de saúde. 
 
Esta fruta de cor púrpura, cuja produção aconteceu numa estufa em Ontário, no Canadá, onde a legislação em relação aos transgénicos é menos apertada do que na Europa, provou já ter efeitos anti-inflamatórios em testes realizados em laboratório, tendo também conseguido atrasar o desenvolvimento do cancro em ratinhos.  
 
De acordo com informações adiantadas à imprensa internacional pelo John Innes Centre, instituição responsável pela produção, estes tomates, enriquecidos com anticioninas, composto normalmente presente nos mirtilos, amoras e outras frutas silvestres que lhes dá a tonalidade roxa, foram concebidos para serem superiores aos comuns, tendo também um tempo de vida mais longo (o que permite “apurar” o seu sabor).
 
“Queremos explorar uma forma de os consumidores beneficiarem das nossas descobertas, visto que sabemos que existe uma procura cada vez maior de vantagens ao nível da saúde”, explica Cathie Martin, investigadora daquela instituição britânica. 
 
Os primeiros 1.200 litros de sumo de tomate roxo vão ser enviados para Norwich, em Inglaterra, nas próximas duas semanas, e farão parte de um ensaío clínico com pacientes reais. Entretanto, os investigadores vão continuar a trabalhar no sentido de obter autorização para a sua comercialização, que poderá começar, na América do Norte, dentro de apenas dois anos.
 
Segundo a equipa de Martin, os tomates (escolhidos por serem a fruta mais consumida no mundo, explicaram os cientistas) e o sumo serão utilizados para estudar o efeito de uma dieta rica em antocianinas no combate ao cancro, às doenças cardiovasculares e a outras doenças crónicas. 
 
Atualmente, outras variedades, ricas em compostos como o resveratol, presente no vinho tinto, estão a ser já usadas no desenvolvimento de produtos para cuidados da pele. 
 
A investigação está a ser financiada pela União Europeia e através do fundo estratégico para biotecnologia e biocências do John Innes Centre.

Saiba mais sobre estes tomates roxos na página da investigadora clicando AQUI (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close