Gastronomia

The Independent elogia gastronomia portuguesa

NULL
Versão para impressão
A cozinha portuguesa é “uma celebração da tradição exploradora do país e, só por si, vale a viagem”. É assim que Tilly Culme-Seymour, jornalista do jornal britânico The Independent, começa um artigo inteiramente dedicado à gastronomia de Portugal.

Na reportagem intitulada “Do mundo para o seu prato” e publicada a 10 de setembro, a jornalista sublinha que, ao contrário dos italianos ou dos franceses, os pratos portugueses têm a vantagem de não serem constantemente copiados e imitados, dando origem a versões baratas que “mancham a sua reputação”.

Isso faz com que, para a maior parte dos turistas, a culinária portuguesa seja uma experiencia inédita, proporcionando, além disso, salienta Seymour, uma viagem pela “história fascinante e complexa da comida” de Portugal.

A jornalista sublinha os séculos das Descobertas portuguesas, que permitiram a importação de ingredientes únicos – da Ásia, da América do Sul e de África – o que fez com que a cozinha de Portugal se tenha transformado numa “fusão de tradições culinárias de todo o mundo”.

Uma das melhores do mundo

Seymour não hesita mesmo em afirmar que a cozinha portuguesa “é uma das melhores do mundo” embora muita gente não se aperceba disso, alerta o jornalista, sendo os pratos nacionais ofuscados pelas “famosas tapas e paelhas” da vizinha Espanha.

O artigo reconhece, no entanto, que Portugal está a fazer um esforço por mostrar o que vale e tirar a sua culinária do anonimato, com iniciativas como a Prove Portugal que incentivam os turistas a conhecer “o segredo gastronómico mais bem escondido da Europa”.

Depois desta extensa introdução, a jornalista dedica o resto do artigo a descrever a sua viagem gastronómica pelo país, que arranca na cidade do Porto. Nesses parágrafos, Seymour descreve detalhadamente as principais riquezas nacionais, tanto em termos de bebidas como de pratos, e dando também destaque às condições hoteleiras do país.

O vinho do Porto, os vinhos das castas touriga e Syrah (entre outras), o azeite, o arroz de sarrabulho, o peixe (robalo, bacalhau e tamboril), os “delicados” doces conventuais como os papos de anjo, os queijos, as conservas e os (mais que) famosos pastéis de nata são alguns dos destaques do artigo.

Terminando a viagem em Albufeira, com os “ventos quentes do levante” vindos de África, a jornalista despede-se do país com um brinde ao oceano acompanhado por uma refeição de gaspacho e gambas “temperada com o sal e o sol do mar”.
 
Clique AQUI para consultar o artigo original do The Independent

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close