Sociedade

The Guardian elogia “magia e mistério de Sintra”

Desta vez foi a vila de Sintra a escolhida pelo The Guardian para mais um artigo de destaque às maravilhas de Portugal.
Versão para impressão
Desta vez foi a vila de Sintra a escolhida pelo The Guardian para mais um artigo de destaque às maravilhas de Portugal. “Simplesmente Sintra: magia e mistério na costa atlântica portuguesa” é o título do artigo da jornalista Isabel Choat que dá a conhecer esta mítica localidade.
 
Muitas vezes descrita como uma “Disneyland para adultos”, Sintra  merece ser explorada pela “sua história, praias circundantes, bosques e pratos de peixe e marisco, servidos nos restaurantes da região”, escreve a autora. 
 
Chloat andou pelas praias sintrenses, ao longo de “trecho espetacular da costa atlântica a norte de Lisboa, com altas escarpas, ondas retumbantes e trilhos inexplorados”. Além de conhecidas pelas ótimas condições para a prática de surf, as praias de Sintra são também o melhor sítio para “servir o mar à mesa”, garante. 
 
Com destaque para os percebes, um dos mariscos mais apreciados pelos críticos gastronómicos, sugestões não faltam para provar o que Portugal tem de melhor à mesa, à beira-mar.

“Em qualquer altura, sente-se num terraço num dos restaurantes espalhados pela região e peça peixe que tenha sido apanhado escassas horas antes e regado apenas com azeite e limão”, recomenda a jornalista. “O facto de, no fim, pagar metade do que pagaria por uma refeição similar em Inglaterra torna tudo ainda mais doce”, acrescenta.

“O Parque Natural Sintra-Cascais estende-se para o interior, envolvendo dunas, vinhas e encostas cobertas de densos arvoredos. E, depois, no centro de tudo, a vila de Sintra”, continua Chloat. “Na lista da UNESCO pelos seus extraordinários castelos, palácios e casas típicas, Sintra é o destino certo para aqueles que gostam de sair da capital e passar três ou quatro horas a explorar tesouros.”
 

Um deles encontra-se numa das mais antigas propriedades da vila, com o nome Almaa. A autora diz tratar-se de um “hostel em tudo invulgar, com quartos de estilo espartano, corredores escuros e misteriosos como num filme do Scooby-Doo e uma piscina natural de pedra-antiga”.

Destaque ainda para a extensa muralha que domina grande parte da paisagem sintrense desde o Castelo dos Mouros, no cimo da montanha, e cuja arquitetura “parece uma mini-Muralha da China”. No ponto mais alto da vila, brilha o palácio de Verão de D. Fernando II, a Pena, que “alberga um “convento do século XVII e junta cúpulas de estilo turco com fachadas góticas”.

“Apesar de considerado o mais emblemático ícone do romantismo em Portugal, o Palácio da Pena não é a única residência extravagante da vila. Uma longa linhagem de nobres viajantes e empresários contemporâneos fizeram de Sintra a sua casa, pelo que, numa área de poucos quilómetros, é possível encontrar uma surpreendente e fascinante mistura de estilos”, presentes nas quintas, mansões e palacetes espalhados por Sintra, lê-se no artigo.

“Do delicado interior árabe entalhado do Palácio de Monserrate ao alpinismo do Chalé da Condessa de Elda, explorar Sintra é como fazer uma excursão ácida pela arquitetura”, tais são os choques de estilos. “Mas o mais extravagante de todos é, sem dúvida, o estilo da Quinta da Regaleira, uma coleção nunca antes vista de lagos, grutas, quedas de água, portas falsas e túneis secretos que levam o visitante ao 'submundo' de uma mansão neo-gótica”.
 
“As camadas de história, as florestas de encantar e os trilhos selvagens pelos bosques, com antigas fontes e capelas ao longo de todo o percurso, dão a Sintra toda uma mística que atrai todo o tipo de pessoas, desde milionários que queiram transformar uma quinta a artistas falidos que procuram inspiração”.

Segundo Chloat, mesmo no centro da vila sintrense é possível sentir toda uma “vibração alternativa”, patente em espaços físicos como o Café Saudade ou o restaurante A Raposa. 
 

A jornalista conclui com um conselho: “Quando ficar com a cabeça cansada das histórias de Sintra e das suas pessoas, a apenas alguns quilómetros, tem uma extensão de praias vazias onde a brisa do oceano Atlântico lhe vai limpar as ideias e fazer sentir que aquele tempo passado na vila pareceu um sonho”. 

Leia AQUI o artigo original do jornal britânico.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close