Saúde

Teste de sangue deteta cancro da mama anos antes

Uma investigação pioneira, levado a cabo por uma equipa da Imperial College London, conseguiu detetar o risco de desenvolvimento de cancro da mama anos antes do seu aparecimento através de testes ao sangue.
Versão para impressão
Uma investigação pioneira, levado a cabo por uma equipa da Imperial College London, conseguiu detetar o risco de desenvolvimento de cancro da mama anos antes do seu aparecimento através de testes ao sangue. O estudo pode contribuir para uma prevenção mais atempada da doença.
 
A equipa de James Flanagan, colaborador científico da instituição Breast Cancer Campaign, comprovou que alterações moleculares ou epigenéticas (processo fundamental para a diferenciação celular) dos genes estão associadas ao risco de desenvolvimento de cancro da mama, e podem ser detetadas muito cedo.
 
O estudo, publicado na edição deste mês da revista Cancer Research, testou 1.380 mulheres e observou várias amostras de sangue ainda antes do diagnóstico da doença, para perceber se a alteração de determinados genes serviria para prever o risco de cancro da mama.
 
Das mulheres testadas, aquelas com mais alterações no gene ATM apresentaram o dobro das probabilidades de vir a ter cancro da mama. Os resultados foram particularmente expressivos em amostras de sangue de mulheres com idade inferior a 60 anos.
 
Teste funcionou com 11 anos de antecedência
 
A investigação, ao contrário daquelas que têm vindo a ser feitas, mostrou que os genes não foram alterados devido à presença de cancro ativo no corpo ou a tratamentos terapêuticos, uma vez que o sangue recolhido foi tirado entre 3 a 11 anos antes da doença se manifestar.
 
O objetivo será desenvolver, em breve, um teste de sangue que – aliado a fatores genéticos e fatores de risco, como o tabaco – permita antecipar a doença e tomar medidas preventivas.

Os próximos passos da investigação passam, de acordo com o comunicado emitido pela Breast Cancer Campaign, por testar mais indivíduos e mais genes que possam influir no processo de desenvolvimento da doença.

 
“Esperamos que esta investigação tenha sido apenas o início do nosso conhecimento sobre os componentes epigenéticos do risco de cancro da mama e, nos próximos anos, esperamos encontrar muitos mais exemplos de genes que contribuam para o desenvolvimento do risco”, referiu Flanegan.
 
A equipa de investigadores acredita que estes desenvolvimentos podem também vir a servir para a deteção de outros tipos de cancro, como o linfoma ou a leucemia.

Pode aceder ao estudo clique AQUI e para ler o comunicado clique AQUI.

[Notícia sugerida por Elsa Martins]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close