Ciência

Território marítimo de Portugal pode vir a duplicar

Em breve, o território marítimo de Portugal pode vir a crescer. Para saber se isso é possível, está a decorrer uma missão que, com a ajuda do robô submarino Luso, vai tentar perceber até onde se estende a assinatura geoquímica dos Açores.
Versão para impressão
Em breve, o território marítimo de Portugal pode vir a crescer. Está neste momento a decorrer uma missão que, com a ajuda do robô submarino Luso, vai tentar mostrar até onde se estende a assinatura geoquímica dos Açores e, assim, reforçar a proposta para a Extensão da Plataforma Continental portuguesa.
 
19 investigadores, um robô submarino, 48 dias. São estes os principais elementos da equipa da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC) que se encontra, neste momento, ao largo dos Açores, a caminho da fractura de Hayes, uma fissura localizada 500 milhas a sudoeste do arquipélago e que atravessa a cadeia de montanhas submarinas Dorsal Médio-Atlântica.

Esta campanha oceanográfica tem por objetivo enriquecer a proposta para a Extensão da Plataforma Continental portuguesa apresentada, em 2009, à Comissão de Limites de Plataformas Continentais (CLPC) da ONU de maneira a estender as atuais fronteiras marítimas de Portugal. Atualmente, o território marítimo português corresponde a uma área de 1.8 milhões de quilómetros quadrados (que incluem a parte emersa, o mar territorial e a Zona Económica Exclusiva até às 200 milhas).
 
No entanto, caso a missão seja bem-sucedida, aumentam as probabilidades da proposta submetida à ONU ser aceite e o território marítimo português poderá passar a ter cerca de 4 milhões de quilómetros quadrados, o que “equivale a 91% da área emersa da União Europeia”, explica a equipa da EMEPC ao Boas Notícias, numa entrevista via email.

 Image and video hosting by TinyPic

Maior exploração e aproveitamento de recursos
 
Para isso, a equipa que segue a bordo do navio Almirante Gago Coutinho, da Marinha, está a contar com a ajuda do sofisticado ROV (sigla de “Remotely Operated Vehicle”) Luso que vai mergulhar ao longo dos 4.500 metros de profundidade da fratura de Hayes, recolhendo rochas, sedimentos e outros elementos que possam demonstrar a continuidade geológica daquela zona relativamente aos Açores e, consequentemente, a Portugal.
 
Em declarações ao Boas Notícias, a equipa da EMEPC explica que esta missão tem uma grande “relevância” uma vez que “Portugal tem direitos exclusivos de soberania sobre a plataforma continental, para efeitos de exploração e aproveitamento dos seus recursos naturais vivos e não-vivos [como a captura de peixe, a recolha de amostras biotecnológicas ou a exploração de eventuais combustíveis fósseis e minerais] do leito do mar e subsolo”.

Tendo em consideração variados fatores – como o número de propostas de vários países pendentes e o grau de complexidade de cada uma – a EMEPC não espera que o comité da ONU consiga dar um parecer sobre a proposta portuguesa antes dos próximos três anos.
 
Image and video hosting by TinyPic

Luso permite aceder a 98% do mar português
 
Apesar de o ROV Luso estar “destacado”, sobretudo, para o projeto de extensão da plataforma continental, a equipa salienta que este sofisticado equipamento representa uma enorme mais-valia em termos científicos: “conhecemos tão pouco os fundos oceânicos, que cada mergulho do ROV constitui  para a equipa da EMEPC e para os cientistas de diferentes disciplinas que com ela colaboram – geologia, geofísica e biologia, entre outras – um mundo de surpresas”.
 
Assim, a aquisição do Luso – um dos poucos robôs submarinos existentes em todo o mundo – constituiu “um passo estratégico muito importante porque permite que Portugal tenha acesso, apenas com meios nacionais, até aos 6.000 metros de profundidade do seu mar, o que representa cerca de 98% do espaço sobre os quais o nosso país exerce direitos de soberania ou jurisdição”.
 
A missão da fratura Hayes arrancou no final de Agosto, ao largo de Setúbal, e contou com a presença da ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, Assunção Cristas. Nesse altura, o Luso fez um teste de mergulho de 1.000 metros de profundidade durante o qual colaborou, também, com o projeto científico “Carcace” que estuda a decomposição de mamíferos – como as baleias – no fundo dos oceanos e a sua importância para os ecossistemas marinhos.
 
Neste mergulho, o Luso deu um importante contributo para o projeto liderado pela investigadora Ana Hilário ao recolher imagens e amostras de seis carcaças de bovinos – lançadas ao mar em Agosto do ano passado, no âmbito da investigação – que forneceram “informações de grande interesse para a ciência”.

Clique AQUI para aceder ao Facebook da EMEPC e AQUI para visitar o site oficial da missão. AQUI pode acompanhar o processo da proposta portuguesa no site da Comissão de Limites de Plataformas Continentais da ONU.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close