Literatura

Tempo dos Milagres: Salva por um rato

Nas histórias de encantar de todas as tradições - verdadeiro património imaterial da humanidade - há inúmeras referências ao papel decisivo de animais minúsculos, quase desprezíveis que, num momento crítico, salvam o pequeno herói ou a pequena heroín
Versão para impressão
Por Manuela Gonzaga

Image and video hosting by TinyPicNas histórias de encantar de todas as tradições – verdadeiro património imaterial da humanidade – há inúmeras referências ao papel decisivo de animais minúsculos, quase desprezíveis que, num momento crítico, salvam o pequeno herói ou a pequena heroína.

Um peixe traz o anel perdido no fundo das águas à princesa que desespera de o encontrar. Pássaros transportam mensagens entre amantes separados. Um grilo faz o papel da consciência que o menino de madeira, Pinóquio, não tem. Milhões de formigas trabalham toda a noite, colhendo e empilhando os grãos, tarefa que a desventurada menina tinha de cumprir até à alvorada sob risco de perder a vida…

A Psicologia já se debruçou muito sobre este tema, sobretudo a partir da obra referencial de Bruno Bettelheim, Psicanálise dos Contos de Fadas, e o estudo da simbologia também encontra aqui tesouros sem fim, a que todos podemos aceder sem nunca nos cansarmos. Até porque esta tradição, a das histórias de encantar, é verdadeiramente inspiradora.

O exemplo mais recente foi o de uma jovem amiga. Divorciada, em situação económica semelhante à de quase todos os jovens deste país –precária e a recibos verdes –, com um carro muito velho mas a filha num colégio de luxo (mensalidades pagas pelos avós paternos), deu de caras com uma brigada da GNR à porta do referido estabelecimento de ensino, à hora em que ia levar a criança.
 
O coração caiu-lhe aos pés. O selo do carro fora de prazo, o farolim esquerdo a pedir reforma urgente, e um sem fim de pequenos detalhes, candidatavam-na directamente a uma soma de infracções que poderiam levar-lhe metade do seu rendimento mensal. Sem pensar duas vezes, e sempre com o motor a trabalhar, acenou ao guarda que se encontrava mais perto, e, abrindo a porta do carro disse à filha “vai embora, já!!”. O guarda aproximou-se e sem o deixar sequer abrir a boca ela pediu-lhe:

– Bom dia senhor agente, ajude-me, senhor agente, acho que tenho um rato dentro do carro. Ora oiça lá.
Pela expressão do guarda passaram várias emoções.
– Desculpe, minha senhora – contestou ele, muito sério – mas não estou aqui para saber de ratos…
– Eu sei, mas… não ouve? Se calhar está no motor… o pior é se está debaixo do tapete, cá dentro. Oh, que horror!! É que por cima deste rrrrrrrrrrrrrr do carro a trabalhar, estou a ouvir um krrriiiiiiiiii, umas vezes mais alto… agora, agora!!! Ouviu o krrrriiiii???
Automaticamente, o agente curvou-se e espreitou para dentro do automóvel.
– Não ouço nada, nem estou aqui para …
– O senhor agente se calhar acha isto ridículo mas eu morro de medo de ratos. Por favor, não se importa de espreitar debaixo dos bancos… eu saio, eu saio!
– O quê????
– Sim, para o senhor me levantar o tapete, a si não lhe vai custar nada… tenho a certeza que… ou então dentro do motor, imagine que o rato está dentro do motor, coitado do bicho… vou abrir o capô, importa-se de ir ver?
– Minha senhora! – agora o homem estava vermelho de fúria – eu faço parte de uma brigada de fiscalização de trânsito…
Ela interrompeu-o:
– Se o senhor agente não quer, podia pedir a um dos seus colegas …?

A cena estava a dar frutos. Pelo canto do olho, ela reparou que os outros, que até então seguiam a conversa com ar de gozo, olharam imediatamente para o lado e puseram-se a mandar parar os carrões de luxo que continuavam a despejar crianças à porta do colégio.
– A senhora ponha-se mas é a andar!! Um rato???!! Desapareça-me da frente! – o homem estava, naturalmente, muitíssimo indignado. Ela não esperou duas vezes.

Mais tarde, porém, quando reviveu a cena, morta de riso e com uma sensação de alívio imenso, fez uma pequena meditação:
– Agradeci à “alma-grupo” dos ratos. Pela inspiração e pela ajuda.
– Mas tu não tens medo de ratos?
– Depende. Não me agrada partilhar com ratos os mesmos sítios por onde ando. Mas respeito-os e, em certos casos, acho que até lhes poderia vir a ter afecto. Acho que é por causa das histórias de encantar e dos romances onde os prisioneiros em masmorras horríveis, ou as meninas desvalidas em sótãos pobres, fazem amizade com eles.

Nota: “Alma-grupo” é um atributo  espiritual que muitas tradições esotéricas atribuem a “famílias” de animais, plantas, minerais por oposição à crença de que só o ser humano, na sua espiritualidade, possui alma individual.

[Manuela Gonzaga é escritora. Mestre em História pela Universidade Nova de Lisboa, publicou, entre outros, a biografia de António Variações, a de Maria Adelaide Coelho da Cunha, e uma coleção juvenil, “O Mundo de André”, com a chancela do Plano Nacional de Leitura que já vai no 3º titulo. Visite o blog de Manuela Gonzaga em http://www.gonzagamanuela.blogspot.com/]
 
Manuela Gonzaga escreve de acordo com a antiga grafia.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close