Mundo

Tempo dos Milagres: O céu pode esperar?

NULL
Versão para impressão
Por Manuela Gonzaga

Image and video hosting by TinyPicCatolicismo e cristianismo confundiam-se de forma inextrincável e a sua coexistência não era pacífica. Do fio da memória desenrolam-se as vozes iradas dos pregadores que dos púlpitos das igrejas vociferavam ameaças em nome do Deus único e todo-poderoso, que, apesar do seu furor contra o poço de pecado onde nós, insetos humanos, nos encontrávamos a nadar desde que nascíamos até morrer, amava-nos tanto que nos tinha enviado o seu filho único, Nosso Senhor:
– Para nos salvar! E morrer por nós! E ressuscitar do reino dos mortos ao terceiro dia!
 
Até à minha adolescência sofri demais com a Páscoa. Não pelas ameaças do inferno que nos espreitava constantemente, a todos, mas pelas dores do Supliciado. A coroa de espinhos, as costas maceradas, os pés e as mãos cravados no madeiro, os insultos, os escarros da multidão, a soberana, indizível e sublime grandeza do seu amor por nós, dilaceravam-me de desgosto. E de impotência. E de amor, um amor infantil e sem limites.

Ao mesmo tempo, destroçavam-me de dúvidas. Como é que um pai 'daqueles', omnipotente, omnipresente e omnisciente, a vociferar impropérios contra a nossa miséria pela boca dos pregadores, e a congeminar infernos que, sobretudo a partir de Trento, os clérigos se comprazia em descrever para os pintores o pintarem e nós todos ficarmos avisados do que nos esperava, como é que um pai daqueles, eterno, inatingível e feroz, tinha um filho 'destes'?
 
O céu era fácil segundo Jesus. Amava-se, e pronto. A Deus sobre todas as coisas, o que já não era tão fácil, e ao próximo como a nós mesmos, o que era muito hermético. Ou como dizia Santo Agostinho, outro santo que de tão santo fazia medo: “ama e faz o que quiseres”. Mas depois havia a cláusula sine qua non, a qual implicava os nossos “inimigos”. Era preciso amá-los e ponto final. E se nos fizessem mal? Era preciso amá-los e ponto final. E …? E, nada. Não havia ses nem 'mas' neste articulado de fé. Exemplo: se o inimigo nos esbofeteia, oferece-se a outra face, e é tão simples como isso.
 
Que Deus me perdoe, pensava e pensei e quase penso ainda, a outra face o tanas.
 
Mas então e ao correr do tempo e da memória, outras pequenas histórias, foram-se cruzando com esta. Como a da mulher que confessava ter perdoado ao inimigo que fora o seu companheiro de infortúnio durante tantos anos. E com a mesma voz serena com que me deu as receitas das madalenas que acompanhavam o chazinho da tarde dilatada do meu espanto, explicou-me que não só perdoara como aprendera a amá-lo:
– À distância, claro está!

Um dia, ela a passar a ferro, ele a passar por ali. O encontrão, o insulto, a mão erguida, e a cara de assombro quando o ferro a escaldar se encontrou com a esquina da sua cara, não o cegando por milagre. Ele caiu, e ela caiu-lhe em cima. E à medida que o continuava a agredir com tachos e panelas, cega de um ódio ancestral, o rosto dele dissolveu-se num charco de sangue de onde emergiu a cara escondida do único homem que lhe ensinara a submeter-se a todos os homens que até aí povoaram a sua vida de pesadelo. O pai.

– Foi uma epifania – explicou-me, descrevendo depois os passos muito menos interessantes da sua separação, em termos “amigáveis”, e o encontro com o homem que lhe ensinou a outra face do amor. A verdadeira:
– Porque eu só podia encontrar o amor, depois de me libertar do medo. E enquanto não o conseguisse, todos os homens com quem me envolvia, repetiam o mesmo calvário.
 
Mas como é que isso se articula com “oferecer a outra face” – perguntei-me anos depois, a tentar refazer o puzzle das minhas dúvidas. E percebi. É no coração que tudo se passa. É ali que vale. E, de uma maneira tortuosa, ela tinha-o conseguido. Mais do que isso, é masoquismo. Ou como dizia o outro, o céu pode esperar?

Manuela Gonzaga é escritora. Mestre em História pela Universidade Nova de Lisboa, publicou, entre outros, a biografia de António Variações, a de Maria Adelaide Coelho da Cunha, e uma coleção juvenil, “O Mundo de André”, com a chancela do Plano Nacional de Leitura que já vai no 3º titulo. Visite o blog de Manuela Gonzaga em http://www.gonzagamanuela.blogspot.com/
 
[Manuela Gonzaga escreve de acordo com a antiga grafia]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close