Literatura

Tempo dos Milagres: A doida da vaca

NULL
Versão para impressão

Por Manuela Gonzaga  
  
Era gigantescaImage and video hosting by TinyPic, cheia de dentes branquíssimos, cascos reluzentes e cornos afiados. Esperneava em pleno ar, encontrando milagrosamente o caminho livre entre pinheiros, sobreiros, figueiras, sem esbarrar em nenhuma árvore, crescendo a cada milionésimo de segundo dentro da sua pele malhada, de um preto e branco luzidio de anúncio de chocolate. Era um monstro, em rota de colisão iminente com a minha paralisada pessoa, e eu não conseguia fazer absolutamente nada, porque muito simplesmente o que estava quase a acontecer não podia, de forma alguma, estar a acontecer.

Vacas não marram em pessoas. Vacas não atacam gente. Vacas não correm para cima da jovem de 26 anos que eu era então, imóvel a meio de um monte, perto da estrada entre Santiago do Cacém e Sines, com um saquinho de pano manchado de amoras ou figos, já não me lembro, pendurado ao ombro.

O meu corpo tremia de medo e de vontade de correr dali para fora, mas eu não conseguia mexer-me porque a minha cabeça repetia: «isto não é o que parece.»
 
A minha cabeça estava chipada com um texto da 4ª classe, ou da 3ª classe, dos tempos do Estado Novo. O texto, que ainda hoje reproduzo quase de cor, remetia-nos para o grande amor que a vaca tinha pelo ser humano, ao qual se dava por inteira.

Para começar, fornecendo-nos o seu leite, graças ao qual crescíamos fortes e saudáveis, e do qual se extraía a manteiga, o iogurte, as natas. Eu odiava leite e seus derivados, mas percebia a ideia. Depois, vinha a carne, que aquele animal de olhos meigos nos oferecia para guisar, estufar, grelhas, fritar. Da sua pele faziam-se sofás, cintos, carteiras, luvas, casacos. Dos ossos, botões. Nas embalagens de chocolate, ela lançava-nos silenciosos olhares de adoração. Aos 8 ou 9 anos, eu ficara assombrada por existir na natureza uma criatura – para além dos humanos santos e santas dos altares – capaz de tamanho altruísmo.

E foi praticamente em estado alternativo de consciência que gravei o texto nas minhas entranhas, transformando a sua mensagem em dogma. As vacas, simplesmente, adoram-nos.

Por isso, era uma grande injustiça acreditar que podia ser abalroada, logo magoada seriamente, por uma delas.

Segundos antes que o voo daquele esplêndido mamífero interceptasse o meu estupidificado ser, o voo do rapaz que estava comigo interceptou-me milagrosamente – é o termo –, lançando-me ao chão, a uns bons metros de distância do lugar por onde o animal passou, esperneando doidamente, para desaparecer monte abaixo rumo à estrada de alcatrão. Sempre aos saltos. Como se rebentasse de alegria.

Levantei-me a tremer, a cara, as mãos, a roupa cheia de folhas de pinheiro e de terra, mas sem uma beliscadura. Um homem passou por nós e perguntou:
– Viram a minha vaca?
Abanei a cabeça, sem conseguir articular uma palavra que fosse, e apontei para a estrada.
– É que ela é uma grande doida! – retorquiu ele, já de costas viradas, a correr de cajado no ar.
O rapaz que estava comigo olhou-me incrédulo:
– Podias ter morrido. Podias ter ficado muito magoada. O que aconteceu?
Eu estava envergonhada demais para dizer a verdade. Dias depois, contei o episódio aos meus colegas bancários. Um deles perguntou-me se eu sabia o que era um touro. Desses que vão para as touradas e tudo. Eu sabia, claro.
– E quem pensas tu que são as mães deles? Vaquinhas de presépio?
Rimo-nos todos muito.

Há episódios nas nossas vidas, que têm um travo epifânico.

[Manuela Gonzaga é escritora. Mestre em História pela Universidade Nova de Lisboa, publicou, entre outros, a biografia de António Variações, a de Maria Adelaide Coelho da Cunha, e uma coleção juvenil, “O Mundo de André”, com a chancela do Plano Nacional de Leitura que já vai no 3º titulo. Visite o blog de Manuela Gonzaga em http://www.gonzagamanuela.blogspot.com/]
 
Nota: Manuela Gonzaga escreve de acordo com a antiga grafia.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close