Literatura

Tempo dos Milagres: A casa das vespas

NULL
Versão para impressão
Por Manuela Gonzaga
  
A casa era deliciosa. Sala grande, dois quartos, um corredor, lindíssima cozinha, muita luz, pátio interior, duas frentes, uma para outra fileira de casas exactamente iguais à nossa, a outra para o pinhal. A corta-mato, em quinze, vinte minutos, púnhamo-nos na praia deserta e imensa. De resto, estava quase tudo por fazer. Arruamentos, passeios decentes, rede de transportes. Mas era a nossa casa nova, a uns quinze quilómetros de Sines, onde tínhamos vivido durante um ano e picos, no palácio Pidwell. Nos tempos do AL Berto e tudo. 

E ali estávamos nós, na véspera de mudar para Santo André. Uma mulher de 25 anos e duas crianças de cinco e seis a quem os padres jesuítas deram as boas vindas, começando logo por nos apresentar à maravilhosa família Santana, que andou connosco ao colo o tempo todo que ainda ali vivemos. Memórias douradas. Os padres Amadeu Pinto – que vou rever um dia, do lado de lá –, e o Manuel Malvar que ainda anda por essa terra alentejana. Duas das pessoas mais generosas que conheci na vida. E a bondade e a alegria dos Santana. A dona Balbina, e os filhos, a Grace, a Angie, e o Jorge. E o pai:

– Está combinado – disse o Pai Santana. – Amanhã venho pendurar-lhes as cortinas e ajudá-la com a mudança. Agora, quando saírem, vou dar conta desse ninho de vespas.
– Não tem medo? – perguntei.
O ninho era enorme e quase fumegava de tanta actividade. Estava exactamente no tecto do alpendre, diante da porta de entrada. Sobre as nossas cabeças.
– Nã. Isto vai lá com fumo.
Eu agradeci, quando o André me puxou pela manga do casaco.
– Mãe! O ninho é casa delas? – Respondi-lhe que sim, mas que não valia a pena preocupar-se porque o senhor Santana ia tratar do assunto.
O meu rapazinho de seis anos abanou a cabeça, verdadeiramente zangado:
– Nós ganhamos uma casa e elas perdem a delas. Isso é injusto.
Senti um baque.
– Oh, mãe – reforçou a Marta que detestava insectos, mas era incapaz de lhes fazer mal. – São seres vivos, como nós.

Respirei fundo e mandei-os para dentro. Duas crianças, e uma lição de sabedoria daquele tamanho. Sozinha, pus-me de cabeça no ar a falar com as vespas. Resumidamente, propus-lhes um pacto de boa vizinhança. Se me picassem a mim, até podia «entender». Mas se umazinha delas que fosse magoasse as minhas crianças, o senhor Santana viria logo tratar do assunto. Não me esqueço também da expressão dele quando lhe participei a nossa decisão.

Entretanto, as vespas nunca picaram ninguém. Nunca entraram, sequer, dentro da nossa casa. Nem elas, nem moscas ou mosquitos ou outros insectos. Suponho que foi a forma que elas encontraram de nos pagar a boa vizinhança mútua que durou o tempo todo em que ainda vivemos em Santo André. Não foi mais do que dois anos.

[Manuela Gonzaga é escritora. Licenciada e mestre em História pela Universidade Nova de Lisboa, membro do Centro de História de Além-Mar (CHAM) da UNL, publicou, entre outros, a biografia de António Variações e a de Maria Adelaide Coelho da Cunha, e uma coleção juvenil, “O Mundo de André” com a chancela do Plano Nacional de Leitura que já vai no 3º titulo. Visite o blog de Manuela Gonzaga em http://www.gonzagamanuela.blogspot.com/]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close