Ciência

Telescópio retrata “casal invulgar” de nuvens de gás

O telescópio VLT ("Very Large Telescope") do Observatório Europeu do Sul (ESO) captou um "casal invulgar" de nuvens de gás na Grande Nuvem de Magalhães, a cerca de 163.000 anos-luz da Via Láctea, muito perto da nossa galáxia.
Versão para impressão
O telescópio VLT (“Very Large Telescope”) do Observatório Europeu do Sul (ESO) captou um “casal invulgar” de nuvens de gás na Grande Nuvem de Magalhães, a cerca de 163.000 anos-luz da Via Láctea, ou seja, muito perto, a uma escala cósmica, da nossa galáxia. Segundo os astrónomos, trata-se de uma “intrigante região de formação estelar”.
 
A imagem captada pelo poderoso telescópio instalado no Observatório do Paranal do ESO, no Chile, mostra duas nuvens distintas de gás brilhante: a NGC 2014, em tons de vermelho, e a sua “companheira azul”, batizada NGC 2020. Embora sejam muito diferentes, explica o ESO, “ambas foram esculpidas pelos mesmos ventos estelares fortes ejetados por estrelas recém-nascidas extremamente quentes”. 
 
De acordo com um comunicado do ESO, a Grande Nuvem de Magalhães está a formar novas estrelas ativamente e algumas das regiões de formação estelar podem mesmo ser vistas a olho nu, caso, por exemplo, da Nebulosa da Tarântula.
 
No entanto, existem outras regiões mais pequenas que só os telescópios conseguem revelar com todo o pormenor. Uma delas acaba de chegar aos olhos dos astrónomos sob a forma deste “par curioso”, composto pela NGC 2014 e a NGC 2020.

Um alvo importante para os astrónomos
 

Os cientistas do ESO esclarecem que a nuvem de tom rosado situada à direita na imagem, a NGC 2014, é “uma nuvem brilhante essencialmente constituída por hidrogénio gasoso e que contém um enxame de estrelas quentes jovens”. A sua cor avermelhada deve-se à radiação energética emitida por estas estrelas, que arranca os eletrões aos átomos do hidrogénio que as rodeiam, ionizando o gás. 
 
À esquerda da imagem, obtida no âmbito do programa Jóias Cósmicas do ESO, está a NGC 2020, com uma estrutura semelhante a uma bolha e uma “distinta cor azulada” que é também criada por radiação emitida pela estrela quente mas, desta vez, por oxigénio ionizado em vez de hidrogénio. 
 
Ou seja, as diferentes cores da NGC 2014 e da NGC 2020 resultam tanto da diferente composição química do gás circundante, como das temperaturas das estrelas que fazem com que o gás brilhe. As distâncias entre as estrelas e as respectivas nuvens de gás desempenham também um papel importante neste processo.
 
A proximidade da Grande Nuvem de Magalhães da nossa galáxia torna-a um alvo importante para os astrónomos, já que a mesma pode ser estudada com muito mais detalhe do que outros sistemas mais distantes. Aliás, esta foi mesmo uma das motivações que levou à construção de telescópios no hemisfério sul e ao estabelecimento do ESO.
 
Apesar de ser enorme à escala humana, a Grande Nuvem de Magalhães tem menos de um décimo da massa da Via Láctea e a sua dimensão é de apenas 14.000 anos-luz, o que faz dela uma galáxia anã irregular.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close