Sociedade

Teleassistência gratuita à violência doméstica

A secretária de Estado da Igualdade, Elza Pais, assinou esta quinta-feira um protocolo de alargamento nacional da teleassistência a vítimas de violência doméstica, fazendo com que todo o país, bem como as ilhas, disponham desta medida de proteção. Os
Versão para impressão
A secretária de Estado da Igualdade, Elza Pais, assinou esta quinta-feira um protocolo de alargamento nacional da teleassistência a vítimas de violência doméstica, fazendo com que todo o país, bem como as ilhas, disponham desta medida de proteção. Os dispositivos necessários serão disponibilizados “gratuitamente”, garantiu a governante.

O programa arrancou há cerca de um ano apenas nos distritos do Porto e Coimbra, enquanto projeto piloto, com 50 dispositivos disponíveis. Estes eram constituídos por um “pager” cujo botão deve ser acionado pelas vítimas em qualquer situação de risco.

O número de dispositivos disponibilizados será agora “o que for necessário”, diz à agência Lusa Elsa Pais, que frisa a importância de “reforçar a proteção das vítimas, que podem também fazer uma chamada para falar com alguém que, do outro lado, dará conselhos quando estão em situação de desespero, angústia ou ansiedade”.

A secretária de Estado referiu-se ainda à implementação da vigilância eletrónica de agressores, que consiste num dispositivo parecido com uma pulseira eletrónica, aplicada como medida de coacção, e cuja utilização, de agosto até agora, “aumentou quase 50%”.

O aparelho aplicado por determinação judicial identifica a proximidade do agressor e, quando este se aproxima de uma área onde já não é permitido estar, é emitido um sinal que permite a intervenção das forças de segurança.

Questionada sobre a razão que determina o aumento do número de casos de violência doméstica em Portugal, Elza Pais sustentou que “a leitura que tem vindo a ser feita por entidades autónomas é de que o aumento se deve, sobretudo, a um maior número de denúncias”.

“Ainda assim é um crime muito encoberto no interior do país”, disse.

O protocolo de alargamento destas medidas a nível nacional foi assinado entre a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, a GNR, a PSP e a Cruz Vermelha.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close