Ambiente

Tecnologia portuguesa capta ventos a 3 km de altitude

NULL
Versão para impressão
Todos já tivemos a oportunidade de ver barcos movidos com a força do vento. Mas e se fosse possível mover um barco usando o vento como alimentador de um motor com grandes potências?

Foi esta a ideia que o investigador português, Tiago Pardal, teve há alguns anos atrás. O projeto Boreas, como foi batizado, pretende ser uma forma de produzir energia elétrica através do vento de um modo mais competitivo, mais barato e com níveis de potência muito superiores aos atualmente conseguidos.

Tiago Pardal lançou a primeira patente do projeto em 2006 em coautoria com Marco Freire da Agência Espacial Europeia (ESA). Nessa altura a ideia tinha já sofrido algumas alterações relativamente ao protótipo original imaginado pelo investigador, como contou aos Boas Notícias.

Boreas absorve ventos que as atuais ventoinhas não alcançam

O Boreas consistia então num género de moinho de vento que podia atingir altitudes elevadas, estando fixo ao solo por um cabo, através do qual a potência elétrica era transferida até à superfície. “Todo o equipamento pesado está instalado no solo e a aeronave (a tal espécie de moinho) é de voo muito lento e enormes dimensões”, explicou Tiago.

A parte que flutua no ar é muito leve e pode atingir até três quilómetros de altitude, o que a torna capaz de absorver ventos mais fortes, que as atuais ventoinhas eólicas não conseguem atingir.

Image and video hosting by TinyPic

Desta forma, “a tecnologia Boreas permitirá produzir energia elétrica a custos mais baixos do que numa central térmica a carvão e terá o dobro do fator de carga comparativamente com com a energia de fontes eólicas atuais, ou seja, produziremos a potência instalada durante uma
proporção muito maior e mais constante do ano”, contou Tiago Pardal ao Boas Notícias.

A tecnologia do Boreas irá ter uma potência de 100 KW e vai permitir que se faça aproveitamento do vento todo o ano, já que a grandes altitudes existe sempre vento. Esta é, de resto, uma das grandes vantagens competitivas do projeto.

Projeto é lider mundial

O projeto está a ser desenvolvido pela empresa do engenheiro português, a Omnidea. O Boreas, que nasceu no pensamento de Tiago Pardal é atualmente “um trabalho de equipa”, contou o investigador. Para a segunda patente, conta com a participação do Eng. Pedro Silva, também da Omnidea.

Até agora recebeu o apoio do QREN – Quadro de Referência Estratégico Nacional – que se dedica a aplicar a política comunitária de coesão económica e social para Portugal até 2013, e da Comissão Europeia, através do FP7 – Sétimo Programa-Quadro para a Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico – que financia pesquisas na Europa e no resto do mundo.

Neste momento, o Boreas encontra-se em fase de protótipo, mas até 2012 a equipa acredita que vai ser possível fazer demonstrações do produto.
Por agora o feedback está a ser positivo.

“Fomos apresentá-lo publicamente pela primeira vez na Airborne Wind Energy 2011 e tivemos uma muito boa recetividade, tendo sido evidente que nenhuma equipa a nível mundial tem um conceito que esteja numa fase de desenvolvimento mais avançada que a nossa”.

Rita Correia

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close