Ciência

Tatuagem eletrónica poderá tornar possível a telepatia

Cientistas da Universidade da Califórnia criaram uma tatuagem eletrónica que monitoriza a atividade cerebral. A equipa acredita que as estas potencialidades permitirão comunicar através da telepatia.
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia (UC) criou uma tatuagem que é capaz de monitorizar a atividade cerebral de um paciente sem recorrer a fios. O projeto pretende acabar com os exames em máquinas de eletroencefalograma e explorar as potencialidades deste sistema para uma interação social através da telepatia.
 
Os cientistas norte-americanos desenvolveram sensores ultrafinos e flexíveis, introduzidos num pequeno penso, que dão a possibilidade de registar a atividade cerebral do paciente, a temperatura da pele e os níves de oxigénio no sangue.

O professor de bioengenharia Todd Coleman explica que, para além da monitorização, a tatuagem eletrónica permite “captar os sinais elétricos dos músculos da garganta para que as pessoas comuniquem apenas através do pensamento”.

O investigador acredita que esta tecnologia pode torna-se numa “poderosa ferramenta de interação social, usada na telepatia”, permitindo que as pessoas conversem entre si sem a transmissão de sons ou que controlem a operação de máquinas e de sistemas à distância.


Tatuagem eletrónica contribui para avanço das técnicas de análise

Uma das aplicações que os investigadores esperam também que esta tecnologia venha a possuir é o controlo do ritmo cerebral de bebés prematuros que tenham sofrido lesões cerebrais durante o parto.


“O nosso objetivo é conseguir detetar com precisão sinais e sintomas de uma forma fiável e não-evasiva”, explica a investigadora Gladys Ramos no site oficial da UC. Uma das metas dos investigadores passa também pela sofisticação do sistema, impedindo que este fique restritamente ligado aos laboratórios.
 
A transmissão de dados sem fios deu ao dispositivo a designação de tatuagem eletrónica, tendo este a possibilidade de criar uma interação entre o cérebro e a máquina, ao contrário dos mecanismos atuais de exame que requerem a ligação de dezenas de fios ao crânio do paciente.
 
De realçar que o penso é composto por poliéster plástico, o que permite que seja esticado, torcido e dobrado de forma a acompanhar o movimento natural da pele humana com grande resistência.
 
[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close