Em Destaque Sociedade

Sociedade Portuguesa de Pneumologia lança campanha para assinalar o Dia Mundial do Cancro do Pulmão

“Apague o seu último cigarro e acabe com este pesadelo”
Versão para impressão

 

O cancro do pulmão representa 13% dos novos casos de cancro diagnosticados anualmente em Portugal, ocupando o quarto lugar em termos de incidência – com cerca de 4332 novos casos por ano – e o primeiro ao nível da mortalidade. É perante esta realidade que a Sociedade Portuguesa de Pneumologia, através das Comissões de Trabalho de Pneumologia Oncológica e Tabagismo, no âmbito do Dia Mundial do Cancro do Pulmão, assinalado a 1 de agosto, lança a campanha “Apague o seu último cigarro e acabe com este pesadelo”.

O tabaco é o principal fator de risco para o cancro do pulmão, sendo responsável por cerca de 85 a 90% dos casos pelo que, no dia em que se assinala mundialmente esta doença, se torna fundamental apelar à cessação tabágica. “O fumo do tabaco é constituído por mais de 7000 compostos químicos e, destes, cerca de 50 são reconhecidamente carcinogénicos. A maior parte dos fumadores têm conhecimento sobre os riscos associados ao tabagismo mas continuam a fumar porque são dependentes de uma substância constituinte do tabaco que é a nicotina e que causa habituação”, refere Lourdes Barradas, coordenadora da CT de Pneumologia Oncológica da SPP. De forma a combater este problema de saúde, a médica pneumologista refere ser primordial que “a nossa sociedade e os nossos governantes sejam envolvidos e os profissionais de saúde tenham uma atitude proativa atuando, por um lado,  a nível  da prevenção primária – através de campanhas de sensibilização para evitar a iniciação dos hábitos tabágicos nas idades mais jovens  – e, por outro, na prevenção secundária incentivando os fumadores a deixar de fumar, facilitando o acesso às consultas de cessação tabágica”.

A maioria dos casos de cancro do pulmão são diagnosticados em estadios avançados facto este que incide no prognóstico e contribui para a elevada mortalidade. No entanto, apesar da elevada taxa de mortalidade, o tratamento do cancro do pulmão, em especial nos estádios avançados, sofreu “uma verdadeira revolução na última década com as terapêuticas alvo e a imunoterapia. O progresso da biologia molecular veio permitir o desenvolvimento de fármacos com impacto significativo na qualidade de vida e na sobrevivência global desta patologia.  Identificaram-se alvos nas células tumorais para os quais foram descobertas terapêuticas específicas que inibem o crescimento e a multiplicação das células cancerígenas levando a um aumento da sobrevida global”, esclarece a CT de Pneumologia Oncológica.

A cessação tabágica é uma das medidas mais efetivas de prevenção do cancro do pulmão pelo que se pretende esta sensibilização dos portugueses através da campanha “Apague o seu último cigarro e acabe com este pesadelo”. “O melhor tratamento do cancro do pulmão é a prevenção, e a melhor prevenção é não fumar”, como alerta José Pedro Boléo-Tomé, coordenador da CT de Tabagismo.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close