i9magazine

SMART CITY – A CIDADE CONECTADA

Versão para impressão

As cidades passam a ser plataformas capazes de integrar soluções de tecnologia. Por exemplo, serviços como a Uber, Airbnb e Zomato cresceram e tornaram-se verdadeiros gigantes tecnológicos porque foram capazes de alavancar o potencial dos dados e de ICT e usaram a cidade como denominador comum para prestar o seu serviço. Cada um deles usa a cidade como uma plataforma da vida real em que se transaciona valor entre duas entidades, seja entre um motorista e os passageiros, proprietários e viajantes, ou restaurantes e clientes.

Hoje, ao aproximarmo-nos de um edifício, a porta desliza para nos receber; a iluminação acende ao entrarmos num espaço vazio e o termóstato aciona o ar condicionado para compensar a nossa presença. Todas estas funções agora automatizadas eram habitualmente realizadas por outros seres humanos.

Caminhamos numa cidade onde câmaras de vigilância monitorizam os nossos passos, e onde por detrás da lente existe um algoritmo na cloud que analisa os dados captados do mundo real para produzir informação simbólica em forma de decisões e detetar comportamentos.

O planeamento das cidades está a sofrer uma mudança matricial de paradigma para se adaptar à era da informação, fazendo um upgrade digital. A cidade de aço e betão passou a dar lugar a um vasto universo de computadores, software e cidadãos que comunicam com ela através dos smart phones. Isto torna possível com a tecnologia atual resolver problemas dos grandes centros urbanos, como o trânsito. Estamos neste momento a testemunhar um novo movimento cívico em que as pessoas estão a construir as smart cities, cada uma com o seu smart phone se torna uma plataforma para reinventar a cidade desde o seu utilizador. E os smart phones são só o começo – dados, hardware e redes open source vão ser fortes catalisadores para ajudar esta transformação.

Esta é a transformação das cidades em cidades inteligentes e interconectadas. Os sensores, os smart phones, os wearables, os implantes médicos, as câmaras, a internet e outras formas de aquisição de dados estão a mudar a forma como vivemos e trabalhamos, e estão a gerar quantidades massivas de dados que irão criar um grande impacto económico para as cidades, avaliado em 400 biliões de dólares em 2020 [segundo a consultora Arup]. As cidades serão a fonte desta matéria-prima que alimentará milhares de novos serviços dentro delas e que ajudarão a fazer o upgrade digital das mesmas, transformando-as em verdadeiras cidades inteligentes.

O conteúdo SMART CITY – A CIDADE CONECTADA aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close