Sociedade

Sistema “take away” para alimentar carenciados

As instituições sociais estão a alargar a distribuição de refeições aos mais carenciados através do sistema "take away", em alternativa às cantinas sociais propostas pelo Governo.
Versão para impressão
As instituições sociais estão a alargar a distribuição de refeições aos mais carenciados através do sistema “take away”, em alternativa às cantinas sociais propostas pelo Governo, segundo Manuel Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP). 
 
O sistema “take away”, em que o indivíduo leva a comida para casa, é uma prática que já funciona em algumas organizações e que será, então, alargada de “uma forma sistemática”, disse o presidente da UMP à LUSA.
 
Uma das medidas do Plano de Emergência Social (PES) anunciada pelo Governo há seis meses remetia para a distribuição de refeições a famílias carenciadas, feita através da articulação da rede de cozinhas e cantinas dos equipamentos sociais existentes pelo país, com o intuito de chegar a três milhões de portugueses.
 
A criação de cantinas sociais seria, assim, a melhor opção, na medida em que o Governo “não quer construir mais equipamentos, mas rentabilizar e maximizar os que já existem nas instituições sociais”, de modo a “permitir que possam fornecer um conjunto de refeições a famílias que necessitam”, explicou recentemente Pedro Mota Soares, ministro da Solidariedade e Segurança Social.
 
Por outro lado, o presidente da UMP defende que a criação de cantinas sociais não será a melhor medida a implementar. “Houve algumas misericórdias que fizeram cantinas sociais, mas nós não recomendamos muito, a não ser em casos em que, de facto, o número de pessoas que procura essa resposta seja muito elevado”.

Em declarações à LUSA, Manuel Lemos acrescentou que todos acreditam “que a situação em que o país está é passageira e, portanto, não vale a pena estar a gastar recursos a fazer instalações de raiz ou a adaptar instalações para esse fim”.

 
O Ministério da Solidariedade e Segurança Social vai disponibilizar uma verba ao sector social, nos casos em que seja mesmo necessário, a fim de distribuir refeições para as pessoas que queiram comer em casa e para os casos da pobreza envergonhada.

Esta verba permitirá, deste modo, que as instituições utilizem os refeitórios dos lares, dos centros de juventude e outros espaços para dar de comer às pessoas carenciadas, acrescentou Manuel Lemos.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close