Saúde

SIDA: Vacina vai começar a ser testada em humanos

Vão ter início, nas próximas semanas, os primeiros ensaios clínicos - isto é, testes em humanos - de uma vacina contra a SIDA, em Marselha, no sul de França. As experiências vão contar com a colaboração de várias dezenas de voluntários seropositivos.
Versão para impressão
Vão ter início, nas próximas semanas, os primeiros ensaios clínicos – isto é, testes em humanos – de uma vacina contra a SIDA, em Marselha, no sul de França. As experiências vão contar com a colaboração de várias dezenas de voluntários seropositivos e prometem trazer uma nova esperança na luta contra o vírus da imunodeficiência humana (VIH), anunciou esta terça-feira o coordenador da investigação.
 
De acordo com Erwann Loret, professor que apresentou o teste clínico autorizado a 24 de Janeiro pela Agência Nacional de Segurança do Medicamento (ANSM) de França, esta vacina “não significa o fim da SIDA”.
 
No entanto, os investigadores esperam que a vacina venha a substituir os “cocktails” de antirretrovirais, cujos efeitos colaterais colaterais são muito incómodos. Segundo Loret, “o alvo [da vacina] é uma proteína denominada Tat (transativador de transcrição viral)”, que funciona como uma espécie de “guarda-costas das células infetadas”.
 
Tendo em conta a função que esta proteína assume, o organismo não consegue nem reconhecê-la, nem neutralizá-la, e é este facto que a vacina tentará reverter. Os primeiros resultados preliminares deverão ser dados a conhecer dentro de cinco meses. 
 
No total, 48 pacientes seropositivos que estão atualmente a ser tratados com “cocktails” de medicamentos vão participar no estudo. Os testes vão começar daqui a algumas semanas, depois de terem sido selecionados os voluntários e de lhes serem explicados os riscos da experiência, bem como obtido o seu consentimento.
 
Os participantes vão ser vacinados três vezes, com um mês de intervalo entre cada dose e, em seguida, deverão suspender o tratamento atual durante dois meses. “Se após estes dois meses, a viremia [taxa de vírus no sangue] for indetetável”, então o estudo terá cumprido os critérios estabelecidos pela OnuAids (órgão das Nações Unidas focado no combate à SIDA)”, explicou Loret, citado pela AFP.
 
Apesar de se tratar de um anúncio animador, o especista defendeu que é necessário haver cautela, já que a vacina não tem sucesso garantido e que “atualmente estão a ser realizados no mundo cerca de 25 a 26 testes com vacinas anti-VIH”. “É preciso sermos prudentes com as mensagens que transmitimos aos pacientes e ao grande público”, conclui.
 
Em 2011, 34 milhões de pessoas viviam no mundo com VIH e 2,5 milhões contraríram o vírus. Desde que foi descoberto, o VIH causou mais de 30 milhões de mortes e estima-se que, a cada ano, 1,8 milhões de pessoas percam a vida devido ao HIV/SIDA, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close