Saúde

Setúbal: Maternidade distinguida pela Unicef

NULL
Versão para impressão

O Hospital de S. Bernardo, em Setúbal, acaba de ser reconhecido pela Unicef como um “Hospital Amigo dos bebés”. A formação dos profissionais de saúde sobre o aleitamento materno e o apoio às mães na amamentação são alguns dos serviços da maternidade do hospital que permitiram alcançar esta certificação internacional. A informação é avançada pelo jornal O Setubalense.

Para adquirir a certificação da Unicef, as maternidades (quer funcionem dentro ou fora de hospitais) têm de dar total apoio e fornecer informação esclarecedora, prestada por profissionais, sobre a amamentação materna.

A Unicef, em conjunto com a Organização Mundial de Saúde, definiu dez passos que as maternidades devem dar para garantir que este apoio é fornecido. Por outro lado, a Unicef proíbe que se usem substitutos de leite de fraca qualidade assim como biberões desadequados.

Em Portugal, o primeiro hospital a receber a certificação foi o Hospital Garcia de Orta, em 2005. Neste momento já há onze hospitais nacionais certificados como Hospitais Amigos dos Bebés. Este ano, foi a vez do Hospital de S. Bernardo ser certificado com essa distinção.

Benvinda Bento, enfermeira-chefe do Hospital de S. Bernardo, explicou ao jornal O Setubalense que o hospital começou a preparar-se para obter a distinção em 2007. O processo demorou algum tempo porque foi preciso encontrar formadores em aleitamento materno para garantir as exigências da Unicef.

Neste momento, o hospital está preparado para dar formação sobre aleitamento tanto aos profissionais como às mães da maternidade. Nestas ações, as jovens mães podem esclarecer todas as dúvidas, desmistificar mitos e ainda saber que alimentação deve ser feita pela mãe enquanto está a amamentar, entre outras informações importantes.

Apesar do esforço das maternidades nacionais, a enfermeira alerta que ainda não foi possível atingir “taxas de aleitamento materno a nível nacional que satisfaçam o proposto no plano nacional de saúde 2004/2010”, ou seja, aos seis meses, cinquenta por cento dos bebés ainda serem alimentados exclusivamente com leite materno. “De qualquer das formas temos conseguido uma melhoria muito grande”, concluiu a profissional citada pelo jornal.

[Notícia sugerida por Isabel Machado]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close