Ambiente

Serra do Buçaco vai ganhar 24 mil novas árvores

Durante os próximos três anos, a Fundação Luso e a Quercus vão plantar 24 mil árvores em 24 hectares da Serra do Buçaco, no concelho da Mealhada, onde se situa a zona de recarga do aquífero mineral da Água de Luso.
Versão para impressão
Durante os próximos três anos, a Fundação Luso e a Quercus vão plantar 24 mil árvores em 24 hectares da Serra do Buçaco, no concelho da Mealhada, onde se situa a zona de recarga do aquífero mineral da Água de Luso.
 
A notícia foi avançada à agência Lusa pela direção executiva da Fundação, Noémia Calado, que revelou que a ação resulta de um protocolo assinado em Dezembro entre a entidade que representa e a Quercus prevendo o tratamento de oito hectares de floresta por ano, que proporcionará a plantação de 24 mil árvores em 24 hectares.
 
Segundo Paulo Lucas, da Quercus, também ouvido pela Lusa, a iniciativa tem como objetivo “proteger o aquífero que é utilizado pela Água de Luso” e, ao mesmo tempo, tentar recompor a floresta com vista a “garantir a sustentabilidade” do património hídrico. 
 
Com o desaparecimento do pinhal da serra, devido a “uma praga que atacou os pinheiros um pouco por todo o país”, a zona foi “invadida por outras espécies, principalmente acácias”, que “infestaram” a Serra do Buçaco de “forma descontrolada”, notou o responsável. 

Tornar a floresta mais resistente a incêndios
 
No local serão agora plantadas “cerca de 14 espécies de árvores e arbustos, como o azevinho, o carvalho, o medronheiro ou o loureiro”, que constituem “plantas da flora original” e irão permitir que a Serra do Buçaco tenha “uma floresta autóctone”, sublinhou Paulo Lucas, frisando que “as árvores são fundamentais para a manutenção da qualidade do aquífero”. 

Além disso, a floresta da Serra do Buçaco “é importante para retardar a propagação de fogos”, considerou o representante da Quercus, que acredita que a plantação de árvores naturais daquela zona poderá fazer com que se tenha “uma floresta mais resistente a incêndios”.
 

Paulo Lucas admitiu, ainda assim, que se trata de um trabalho “muito difícil”, já que “as acácias não são fáceis de dominar” e defendeu que é necessário “investir mais no futuro”, sendo este apenas um “pequeno contributo” numa zona florestal que conta com um total de 968 hectares.
 
A iniciativa arrancou na manhã da passada sexta-feira com a plantação de mil árvores num desses hectares. A ação contou com a colaboração de 30 voluntários da empresa Água de Luso, da Junta de Freguesia do Luso, de responsáveis da Quercus e do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas.
 

Notícia sugerida por Vítor Fernandes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close